Política

Vereadores criticam verba para emendas parlamentares

Valor de R$ 55 milhões foi colocado na proposta de orçamento do Estado para 2020
13 de setembro de 2019 às 09:31
Foto: Gabriela Bento Alves, Divulgação

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB utilizou a tribuna do Legislativo, na sessão desta quinta-feira (12), para criticar a decisão do governador Eduardo Leite/PSDB de propor, na Lei Orçamentária Anual de 2020, a verba de R$ 55 milhões para emendas parlamentares. Segundo ele, a proposta liberaria cerca de R$ 1 milhão para cada deputado destinar para projetos de saúde e educação em municípios onde têm base eleitoral.

Para Meneguzzi, o valor equivale a quase o triplo do orçamento para a Consulta Popular deste ano, que foi de R$ 20 milhões. O parlamentar disse que vai propor que os deputados da bancada socialista na Assembleia Legislativa recusem o valor. “Foi o menor valor para a Consulta Popular dos últimos anos. Só no governo Yeda teve um valor tão baixo para o Corede. Mas aí o Governo do Estado, com um déficit de R$ 5 bilhões no orçamento, destina, generosamente, R$ 55 milhões para emendas parlamentares para fazer curral eleitoral, para defender os seus interesses na região, nas suas cidades. Fisiologismo puro”.

Ainda, conforme Meneguzzi, a postura do Executivo estadual é considerada como uma moeda de troca. “Fazer com que os deputados, no futuro, votem a favor de questões como essa do Banrisul. Condeno esse tipo de prática. Não é gestão, nem inovação, isso é a velha política”, ressaltou.

O QUE DISSERAM...

FELIPE GREMELMAIER/MDB - “Fiquei muito feliz quando a bancada do MDB, na Assembleia, lançou nota se posicionando contrário e abrindo mão das emendas parlamentares. Uma baita decisão da bancada assinada pelo deputado Fábio Branco. Não tem que negociar com emendas parlamentares. Vai negociar com o trabalho, com projeto, e não com emendas”.

RAFAEL BUENO/PDT - “Sou a favor da participação popular, onde o povo é protagonista das decisões. Por isso, o Orçamento Comunitário, extinto aqui pela administração Daniel Guerra, era fundamental. É o povo que participa e indica o que quer, e não o toma lá da cá de deputados. Oh, vereador, te dou R$ 20 mil em emendas e tu consegue um curral eleitoral para mim. Isso é troca de favores entre políticos”.

RENATO NUNES/PR - “Essa participação popular continua ocorrendo e acredito que de uma forma bem mais eficaz por meio do Gabinete Itinerante do prefeito com o seu secretariado. Estivemos em diversas regiões, onde as pessoas, mesmo sem atravessador, dizem, no microfone, diretamente para o prefeito e secretários, aquilo que querem e recebem ali, ao vivo e a cores, a resposta”.





Publicidade