Política

Vereadores cobram mais transparência nas viagens do prefeito Daniel Guerra

Parlamentares criticaram a inclusão do irmão e chefe de Gabinete Chico Guerra nos roteiros
30 de maio de 2019 às 12:00
Foto: Gabriela Bento Alves, Divulgação

O presidente da Comissão de Saúde e Meio Ambiente do Legislativo, vereador Renato Oliveira/PCdoB, puxou a série de críticas sobre a viagem do prefeito Daniel Guerra e do chefe de gabinete, Chico Guerra, ambos do Republicanos, na sessão desta quarta-feira (29). O parlamentar disse que a viagem deles e do secretário de Saúde, Julio Cesar Freitas da Rosa, ocorreu mesmo com a crise pela qual passa o pronto atendimento de saúde.

Segundo Oliveira, a viagem iria passar despercebida pela sociedade. “É uma fugidinha. Como um morador de Caxias mandou a foto do prefeito no aeroporto para a imprensa, a Prefeitura informou que ele ia viajar. Se não, essa viagem não tinha aparecido na imprensa. É uma questão da transparência, a gente não pode ficar especulando que o prefeito está viajando”, ressaltou.

Oliveira também criticou a inclusão de Chico Guerra no roteiro do irmão. “É uma viagem de turismo e isso é vergonhoso para Caxias. Uma viagem para Fortaleza em pleno inverno e o Postão sem data para reabri”, enfatizou.

 

Beltrão propõe convocatória

 

Durante o debate sobe a viagem do prefeito Daniel Guerra, o vereador Rodrigo Beltrão/PT propôs a convocação do chefe de gabinete, Chico Guerra. A finalidade é cobrar explicações dele sobre o interesse público das viagens que vem fazendo com dinheiro do erário, como o roteiro na Itália e, agora, as viagens à Fortaleza e mais duas programadas para Brasília e São Paulo.

Conforme Beltrão, se o prefeito, hoje, fosse vereador de oposição, condenaria veementemente o uso de diárias para viagens. “Se fossemos pegar a régua do prefeito, já saberíamos. Vou usar o mesmo termo que tenho usado, que ele fazia aqui na Câmara, se ele fosse oposição aqui, na Casa, e houvessem todas essas viagens em tempo de crise, estaria sapateando”, comparou.

A proposta da convocatória de Chico agradou ao vereador Eloi Frizzo/PSB. Segundo ele, uma forma de o Executivo entender que deve respeito e explicações ao Parlamento. “O Executivo faz ouvidos moucos às questões levantadas nesta Casa, o Legislativo. Será uma forma de fazerem a prestação de contas para todo mundo, ao vivo, das suas viagens. Esse convite do prefeito de levar o seu irmão a tiracolo é um acinte, um deboche ao Legislativo. Provavelmente, numa próxima, vai convidar o cachorro da Brigada para passear”, ironizou Frizzo, fazendo referência ao fato de um cachorro da corporação militar ter ido até o gabinete do prefeito recentemente.

 

O QUE DISSERAM...

 

ALBERTO MENEGUZZI/PSB: “A população tem o direito de saber para onde é que vai o prefeito. Eu li hoje, na Folha de Caxias, na coluna do jornalista Fernando Santos, que já há empenho de outras viagens do prefeito e do irmão dele. Então, é o prefeito e o irmão, e já há o empenho dessas viagens também, diárias, tudo, para essas duas outras viagens. O que é dinheiro público tem que ser transparente. As atividades do prefeito têm que ser transparentes”.

 

RAFAEL BUENO/PDT: “Quando a Folha de Caxias publica “Meu Irmão, Meu Companheiro”, fico pensando se não tem nenhuma pessoa capacitada dentro da Secretaria da Saúde para ele levar nesse congresso. Vereador Cassina, peço que priorize o projeto do nepotismo e coloque em pauta, porque, se for aprovado, o vereador-secretário, o irmão do prefeito, será o primeiro a ter que sair”.

 

FELIPE GREMELMAIER/MDB: “O mais impressionante nisso tudo é a incoerência. Não tem capacidade para ir a uma reunião da Amesne, nem com o governador. E por que não comunicar essa viagem antes? Por que esconder? É sempre o mesmo que viaja, acompanhado do mesmo e agora o secretário da Saúde também. Vai dar ciúmes nos secretários de Desenvolvimento e de Turismo, os fiéis escudeiros estão sendo deixados de lado”.

 

GUSTAVO TOIGO/PDT: “O prefeito peca por descumprir o dever de casa. Não comparece aos compromissos da região, enquanto deveria liderar muitos projetos de investimentos. Não visita autoridades. O que nos deixa mais estarrecidos é justamente o receio de não ser transparente, de não comunicar o objetivo da agenda. O que vai fazer? O que vai levar para o Município? A falta de publicidade é que deixa muitas dúvidas, inclusive legalmente”.

 

Nunes acusa oposição de tentar desestabilizar gestão

 

Apesar de o líder de governo ser o vereador Elisandro Fiuza/Republicanos, assim como em outras questões polêmicas, foi Renato Nunes (PR) que se manifestou, ontem, em defesa do Executivo. Ao invés de justificar o principal ponto em debate – a inclusão de Chico Guerra na viagem do prefeito – o parlamentar concentrou o pronunciamento em comparar o gasto com diárias do atual gestor com os dois anteriores.

Conforme Nunes, sem contar o valor das diárias recebidas agora para ir à Fortaleza, o valor recebido por Daniel Guerra foi de R$ 1.643,44. Segundo ele, em oito anos de gestão, José Ivo Sartori/MDB gastou R$ 51.062 em diárias. Já, em quatro anos, Alceu Barbosa Velho/PDT recebeu R$ 60.301. Ele também apontou, baseado no Portal da Transparência, os destinos das viagens de Sartori: Israel, Chile, Argentina, Peru e Alemanha, além de vários estados. No caso de Alceu listou Coreia do Sul, Colômbia, Chile, Alemanha, Canadá e outras cidades brasileiras. “Da oposição, qual é a estratégia? Uma única só: dá-lhe pau. Descer a lenha. Dá-lhe, pau, Marco véio. É o negócio, vamos bater. Vamos fazer sangrar, fazer desgastar esse governo. Vamos expor esse governo ao máximo que a gente puder. É muito fácil ser oposição. Se não viaja, reclama. Se viaja, reclama. Nada presta nesse governo. Nada funciona. Tudo é ruim”, alegou.