Economia

Vendas gaúchas crescem 2% em sete meses

09 de agosto de 2019 às 10:01

A indústria do Rio Grande do Sul exportou US$ 1,1 bilhão em julho, crescimento de 19,8% na comparação com o mesmo período do ano passado. Porém, o bom resultado se explica, em parte, pela base de comparação deprimida ainda pelos efeitos negativos causados pela greve dos caminhoneiros e da crise da Argentina, que influenciaram o setor exportador gaúcho no mesmo mês de 2018, quando o valor exportado, de US$ 941 milhões, foi o menor desde 2004.

Entre janeiro e julho, as exportações de produtos industrializados totalizaram US$ 7,3 bilhões. O desempenho de julho foi suficiente para reverter o resultado negativo no acumulado do ano, resultando em um avanço de 2,3% ante o mesmo período de 2018. Os dados foram divulgados ontem pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul.

Embora a crise argentina prossiga e a retração nas compras de produtos industrializados gaúchos pelo país vizinho tenha chegado a 33,1% em julho, dois dos principais parceiros comerciais seguiram o caminho inverso e aumentaram suas compras de forma considerável: China, com US$ 506 milhões, cresceu 6,5%; e Estados Unidos, com US$ 127 milhões, 67,1%.  Entre as 23 categorias que registraram algum embarque em julho, 17 assinalaram incremento mensal, com destaque para tabaco (72,5%, especialmente para a Bélgica); alimentos (14,6%), produtos químicos (20,2%) e couro e calçados (26,6%). Produtos alimentícios, impulsionados pela ampliação das vendas de carne de frango e suína in natura, registraram o maior valor exportado dos últimos quatro anos: US$ 329 milhões.   





Publicidade