Coronavírus

Sem testagem em massa, sindicato quer paralisação total

Morte de metalúrgico e surgimento de surtos desencadearam posicionamento
25 de junho de 2020 às 19:41

No início do mês, diretores do sindicato dos metalúrgicos fizeram manifestação (Foto Uliane da Rosa, Divulgação/Banco de Dados)

O aumento exponencial de casos positivos de Covid-19 nos últimos dias, em Caxias do Sul, pautou reunião, na tarde desta quinta (25), entre lideranças de trabalhadores e empresariais com a equipe da Secretaria Municipal da Saúde. Além da grande contaminação em funcionários da JBS, unidade de Ana Rech, a secretaria confirmou surtos em mais 13 empresas e em uma instituição de longa permanência de idosos. A reunião ainda teve as presenças de representantes da gerência da Secretaria do Trabalho, em Caxias do Sul.

O encontro também teve como pauta o registro da primeira morte de trabalhador metalúrgico, em Caxias do Sul, em função do novo coronavírus. O fato, inclusive, causou a suspensão da primeira reunião de negociação da convenção coletiva deste ano dos trabalhadores metalúrgicos com a representação empresarial, na manhã de quinta. A vítima é Olinto Nunes Xavier, 54 anos, colaborador da divisão de implementos rodoviários das Empresas Randon.

Durante a reunião com a equipe da Prefeitura, o Sindicato dos Metalúrgicos defendeu testagem em massa para toda a categoria. “Os casos aumentaram em Caxias. Ou tomamos uma medida de proteger os trabalhadores ou teremos que parar tudo”, afirmou o presidente Assis Melo. De acordo com material distribuído pelo sindicato, cinco metalúrgicas estariam com surto, com média de três a sete trabalhadores por empresa. A direção diz ter informações de casos na Madal, Fras-le, Matrizaria Tóquio, Eaton, Master e Castertech.

O Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico também teve participação na reunião, mas não fez nenhuma manifestação oficial. Na nota que enviou à imprensa, o sindicato dos metalúrgicos informa que a representação empresarial avaliará o pedido e responderá até a próxima semana.

Randon lamenta morte e Marcopolo nega surto

Por meio de nota oficial, as Empresas Randon lamentaram o falecimento, em 24 de junho, em decorrência de complicações pela Covid-19, do colaborador Olinto Xavier, que trabalhava em uma das unidades do grupo em Caxias do Sul. A organização manifestou solidariedade aos familiares e destacou estar empenhada em seguir dando todo o apoio que se faz necessário. Informou que o colaborador estava afastado de suas atividades desde 28 de maio.

Também por meio de nota oficial, a Marcopolo contestou informações que circulam de que haveria um surto em suas unidades em Caxias do Sul. A empresa confirma que, até o momento, há dois casos positivos, ambos com origem de contaminação fora do ambiente de trabalho - um deles já recuperado. Também indica o afastamento de 10 trabalhadores com casos suspeitos, que se encontram em quarentena de 14 dias, sob acompanhamento contínuo da equipe médica. Registra que todos os casos suspeitos foram identificados antes de ingressar nas dependências da empresa. Na avaliação da empresa, considerando o universo de 8.100 colaboradores nas unidades de Caxias do Sul, a situação está absolutamente controlada até este momento.

A diretoria reforça que, desde o início da pandemia, vem tomando e, em muitos casos, excedendo às medidas recomendadas pelos órgãos de saúde competentes em todas as suas unidades no Brasil, em especial as feitas pela Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde e secretarias estaduais e municipais de Saúde. Também informa que, mesmo podendo operar com 75% do quadro, decidiu usar menos de 50% em dois turnos nas suas unidades produtivas de Caxias do Sul.

De acordo com a secretaria da Saúde de Caxias do Sul, excetuando-se o surto do frigorífico da JBS, os demais são com 11 pessoas infectadas. Também informa que a Vigilância Epidemiológica acompanha todos os casos e faz rastreio para verificar a forma de contaminação, além de ligações diárias para cada pessoa afim de monitorar o caso e a evolução dos sintomas.

De acordo com a nota informativa 08/2020 da Secretaria Estadual da Saúde, de 28 de abril de 2020, um surto de síndrome gripal ocorre quando há, pelo menos, dois casos suspeitos, sintomáticos, com vínculo temporal de até sete dias entre as datas de início dos sintomas dos casos. A nota orienta a vigilância municipal referente à detecção, investigação e monitoramento de surtos de síndrome gripal suspeitos de Covid-19 em empresas de médio e grande porte, que tenham quadro funcional a partir de 50 funcionários.

Mais de 100 casos em 24 horas

A Secretaria da Saúde de Caxias do Sul confirmou, nesta quinta (25), 101 novos casos de coronavírus na cidade, elevando o total para 906. São 241 funcionários da JBS, unidade de Ana Rech; 139 profissionais da saúde e sete da segurança. Dos 101 casos de quinta, 63 estão ligados ao frigorífico.

Dos 906 positivos, 496 estão recuperados, mantendo índice de 54%. Dos 397 em situação ainda ativa, 355 encontram-se em isolamento domiciliar, representando 89%. Outros 26 ocupam leitos em enfermaria e 16 em unidades de terapia intensiva (UTI). Ainda há 60 pacientes suspeitos aguardando resultado de exames e 9.753 testos foram considerados negativos, incluídos 2 mil aplicados pela Universidade Federal de Pelotas.

A ocupação de leitos de UTI pelo SUS é de 80%, com 40 em uso. Na rede privada, o índice é de 60%, com 44 ocupados. Mais informações em https://covid.caxias.rs.gov.br.