Cidades

Sede regional da UERGS pode ir para Farroupilha

Fernanda buscará o diálogo em todas as esferas para expandir a instituição regionalmente
11 de junho de 2019 às 13:12
Foto: Divulgação

A reitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS) empossou os novos diretores dos sete campi regionais. Com mandato de quatro anos, eles terão como atribuições encaminhar a demanda orçamentária do campus, propor aos conselhos superiores as diretrizes de ação regional, as demandas estruturais e de atividades de ensino, pesquisa e extensão, além de coordenar e administrar as políticas orçamentárias e pessoal. O orçamento para 2019 é de R$ 101 milhões, rateado entre os campi. Os recursos destinam-se ao pagamento dos salários dos professores, funcionários, terceirizados e bolsas de alunos, e ao custeio das unidades.

Professora da UERGS desde 2013, na unidade de Caxias do Sul, que funciona junto ao Instituto Estadual de Educação Cristóvão de Mendoza, Fernanda Magalhães Stalliviere é a nova diretora do Campus Regional II, que abrange seis unidades nos municípios de Bento Gonçalves, Caxias, Encantado, Montenegro, Vacaria e São Francisco de Paula. “Um das nossas metas é buscar que todas as unidades tenham sede própria. Atualmente, só a de Vacaria têm. Encantado está em vias de obter a conquista. As demais estão locadas em espaços cedidos em escolas. O fato de termos um espaço exclusivo nos favorece para conseguir recursos de outras fontes, sem onerar tanto o governo”, frisou.

A unidade de Caxias, que está em tratativas para iniciar a especialização na área de alimentos em 2020, tem atualmente quatro salas e laboratórios de informática, química e física para o curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos, no turno da noite. Assim como nas demais unidades, com exceção de Vacaria, a estrutura não comporta a atual demanda. “Para que possamos expandir, contribuindo para as regiões nas quais estamos inseridos, vamos buscar o diálogo em todas as esferas governamentais. Embora sejamos uma entidade estadual, o desenvolvimento de toda a comunidade acadêmica só será possível se tivermos apoio e trabalharmos por um mesmo ideal”, salientou.

Diálogo, que segundo Fernanda, é difícil de conseguir com o atual prefeito de Caxias. Fato que contribui para uma possível ida da unidade caxiense para Farroupilha em um prédio de dois andares, próximo ao acesso do Santuário de Caravaggio. “Vamos retomar o diálogo com a Prefeitura de Farroupilha e tentar mais uma vez com a de Caxias, buscando o melhor para os alunos, região e UERGS. Em Farroupilha, poderíamos concentrar no mesmo espaço a unidade de Bento Gonçalves”, antecipou.

 

Luta por realização de concurso

 

Em relação ao quadro docente da Regional II, Fernanda Magalhães Stalliviere garantiu que a situação é bem melhor que cinco anos atrás, com 90% dos professores tendo doutorado ou pós-doutorado. Entretanto, como acontece com a maioria das instituições pública de ensino, há carência de educadores. “Estamos fazendo força para que logo se abra um novo concurso ou se contratem professores substitutos. Por enquanto, o atual quadro garante a normalidade do ano letivo”.

Em toda a regional, a UERGS possui cerca de 2 mil acadêmicos. A unidade com maior número é a de Montenegro, com 400 alunos. Em Caxias, são 106, média de 15 formandos por ano, e ingresso de 40 novos acadêmicos via Sistema de Seleção Unificada para o curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos. “Queremos fortalecer junto às comunidades a oferta de cursos gratuitos de capacitação, de graduação, pós-graduação e de formação tecnológica. Fornecer assessoria científica e tecnológica e desenvolvimento de pesquisas, visando ao desenvolvimento regional sustentável”, destacou.