Política

Rafael Bueno entende ausência do prefeito como ato irresponsável

Parlamentar referiu-se às constantes viagens de Daniel Guerra
30 de outubro de 2019 às 14:57

As sucessivas viagens do prefeito Daniel Guerra (Republicanos) seguem rendendo temas na tribuna da Câmara Municipal de Caxias do Sul. Nesta quarta-feira (30), Rafael Bueno (PDT) manifestou-se sobre a ausência do chefe do Executivo na cidade e reiterou que dá a impressão de que o prefeito é irresponsável para com o eleitorado. Nesta semana, Guerra e seu irmão, Chico Guerra (Republicanos), chefe de gabinete, participaram da Futurecom em São Paulo. De acordo com o Portal da Transparência, mais de R$ 143 mil foram gastos com passagens aéreas apenas em 2019.

Pedetista alertou para possível parcelamento dos salários dos servidores públicos de Caxias do Sul (Foto Maiara Zanatta Gallon, Divulgação)

Bueno classificou a constante ausência do prefeito como ato que inviabiliza diálogo com a população, com entidades e com associações de bairro. O parlamentar sugeriu que o ex-vereador viaje até as Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município e converse com os cidadãos. “Não tem cabimento o prefeito da segunda maior cidade do Rio Grande do Sul viajar constantemente nos últimos dois meses. Se ainda fosse para trazer conteúdo, coisas positivas para a cidade, mas isso não acontece”, sentenciou o pedetista.

Na tribuna, o vereador também chamou a atenção para o pronunciamento, que considerou tendencioso, da ex-rainha da Festa Nacional da Uva e atual diretora da Comissão Social da festa, Fabiana Bressanelli Koch. Durante reunião-almoço da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) de Caxias do Sul, ela cobrou apoio do empresariado caxiense para a próxima edição da festa, prevista para 2021. “Não temos condições psicológicas e econômicas para fazer esta festa em 2021”, opinou Bueno, que se mostrou contrário à realização da festividade em virtude do rompimento do prefeito com as diversas organizações municipais.

Bueno ainda denunciou que recebeu informação de que o Executivo irá parcelar o salário dos servidores municipais nos próximos meses, a exemplo do que já acontece com o funcionalismo estadual desde a gestão de José Ivo Sartori (MDB). A declaração é de que o parcelamento dos salários deve ter início em dezembro próximo. Alternativas estariam sendo estudadas para impedir o parcelamento.





Publicidade