Cidades

RGE flagra 1.442 ligações ilegais

Número representa mais de 32% nas inspeções feitas no primeiro semestre em Caxias do Sul
24 de julho de 2019 às 10:31
Foto: Divulgação

As equipes da RGE realizaram, no primeiro semestre deste ano, 4.414 inspeções na rede elétrica de Caxias do Sul para identificar adulterações e conexões clandestinas, os populares gatos. Deste total, 1.442 ligações apresentaram algum tipo de problema, correspondendo a 32,66% do total. A energia recuperada entre janeiro e junho no município chega a 991,9 MWh, o suficiente para abastecer 551 residências por um ano, levando em consideração um consumo médio de 150 KWh ao mês para cada residência.

Essas inspeções são feitas para evitar problemas na rede de distribuição de energia elétrica e garantir a segurança da população. As fraudes e furtos de energia são crimes previstos no Código Penal e a pena pode variar de um a quatro anos de detenção. Os fraudadores também precisam pagar os valores retroativos referentes ao período em que ocorreu o furto, acrescidos de multa.

Em 2018, uma média de 81 ligações clandestinas foi detectada por dia nas inspeções da distribuidora realizadas em toda a área de concessão. Mesmo que as ações policiais tenham como foco principal os clientes comerciais e empresariais, as operações da distribuidora também abrangem os residenciais, que integram a maior parcela de usuários ativos.  

Para identificar os fraudadores, além das inspeções de campo, os profissionais trabalham com o cruzamento de dados de consumo e inteligência artificial, que permite identificar com mais precisão possíveis fraudes. Geralmente, os casos com irregularidades já apresentavam indícios no levantamento prévio feito pelos sistemas do Grupo CPFL, controlador da RGE.

O Grupo CPFL utiliza tecnologias que, através de algoritmos, identificam possíveis sinais de desvio de energia, além da instalação de medidores que mostram, de forma imediata, uma manipulação indevida ou o não registro de algum valor consumido. Uma vez identificada qualquer tipo de alteração na medição da energia consumida, a Gerência de Serviços de Recuperação de Energia realiza os cálculos da quantidade furtada e fixa a cobrança do valor que deixou de ser pago. 

De acordo com a RGE, fazer o desligamento dessas ligações clandestinas é uma questão de segurança para a população. Também ajuda a evitar curtos-circuitos que afetam a rede e que, em muitos casos, provocam a queima de equipamentos e eletrodomésticos de ruas inteiras, além do risco de incêndio de imóveis destas localidades.





Publicidade