Cidades

Queijo serrano é transformado em patrimônio cultural imaterial

24 de julho de 2019 às 10:47
Foto: Divulgação

O prefeito Marcos Aguzzolli sancionou lei de origem do Executivo que torna o tradicional queijo serrano patrimônio cultural imaterial de São Francisco de Paula. De origem portuguesa e produzido há mais de 250 anos, o queijo serrano é um produto específico elaborado exclusivamente nos Campos de Cima da Serra do Rio Grande do Sul e no Planalto Catarinense.

De acordo com médica veterinária da Emater/RS, Lilian Varini Ceolin, o queijo serrano é elaborado de modo tradicional por produtores familiares, a partir de leite cru, ordenhado de vacas de raças preponderantemente rústicas e adaptadas à região. "A lei se apresenta como mais um passo para o reconhecimento do saber fazer do queijo artesanal serrano, neste território que é único, e gera um produto especialmente diferenciado", destaca.

Atualmente, o queijo serrano está em processo de obtenção do selo IG (Identificação Geográfica), que o tornará patrimônio imaterial do Brasil. São 16 municípios do Rio Grande do Sul e 18 de Santa Catarina que fazem parte do território que utilizará a denominação exclusiva de queijo serrano. O produto com Indicação Geográfica passa a ser reconhecido pela qualidade diferenciada, vinculada ao território de produção e ao conhecimento dos produtores da região.

Segundo o prefeito, a iniciativa de trazer o queijo serrano para a pauta, tornando-o patrimônio cultural imaterial da cidade, também é um modo de centralizar os interesses do produtor rural. "O queijo serrano teve sua importância negligenciada por muito tempo e agora é a hora de incentivarmos a conservação dessa receita cheia de tradição e história". Com a lei, o poder público e a iniciativa privada podem promover ações para implantar um selo que identifique o queijo artesanal serrano como Patrimônio Cultural de São Francisco de Paula.





Publicidade