Cidades

Prefeitura quer destinar bancas de revistas para economia rural

20 de setembro de 2019 às 08:57

Passados quase 60 dias do fechamento das bancas de jornais e revistas, localizadas em espaços públicos, a Prefeitura esboça planos de ocupação, já informados a representantes dos futuros prováveis ocupantes. O presidente do Sindicato Rural de Caxias, Valmir Susin, confirma que as estruturas do Centro foram oferecidas para uso por agroindústrias e para venda de produtos ecológicos. “Essa proposta foi apresentada pelo conselho da Secretaria Municipal da Agricultura”, salientou.

Procurada para detalhar a ideia, a secretária Camila Sandri negou que haja definição. “São apenas sugestões”, disse, acrescentando, já sinalizando o que pode vir a ser feito: “Estamos elaborando um projeto que visa dar a melhor destinação para estes espaços”.

Para o advogado Adir Rech, responsável pela defesa dos proprietários das quatro bancas, o Município se vale da determinação judicial que assegura que os espaços possam ser utilizados para qualquer fim, desde que mantida as características físicas originais. “Na prática, não tem sentido nenhum, pois se trata de um objeto móvel, de propriedade dos donos das bancas. Além do mais, ignoram o projeto de lei que tramita na Câmara de Vereadores, que tem como foco a preservação do bem imaterial, que é a venda dos jornais e revistas. Qualquer intervenção que venha a ser feita na estrutura dos espaços descumpre determinação judicial. Na próxima semana, buscarei diálogo com os vereadores no sentido de agilidade nesse processo”, informou.

Caxias tem 23 agroindústrias, de acordo com Susin, que disse desconhecer como e quais serão contempladas neste processo. Mas adianta que os espaços são pequenos e limitados para comportar toda a infraestrutura necessária. “As quatro bancas precisam passar por reformas e ajustes. Mas creio que o melhor era começar a pensar na construção de um mercado público”, cobrou.





Publicidade