Política

Para vereadores, família Guerra faz caixa com o dinheiro público

Parlamentares acreditam que o prefeito de Caxias prioriza familiares em detrimento da população
09 de agosto de 2019 às 09:10
Foto: Pedro Rosano, Divulgação

A escolha do chefe de Gabinete e irmão do prefeito de Caxias do Sul, Daniel Guerra, para compor o Conselho Fiscal da Codeca repercutiu na sessão da Câmara de Vereadores, na sessão desta quinta-feira (8). O ato ocorreu em 30 de abril, mas somente ficou conhecido do público, nesta quarta-feira (07), por meio de reportagem da Rádio Caxias FM. Para dois vereadores de oposição ao atual governo, que se pronunciaram criticando a postura do prefeito, concluíram que ele beneficia familiares, utilizando verbas públicas.

A repercussão começou pelo vereador Rafael Bueno/PDT. Ele lembrou a declaração de Daniel Guerra depois de eleito, quando disse que não contratava parentes. Segundo o pedetista, o chefe do Executivo não pratica a moralidade no poder público, como prometeu na campanha política, e reafirmou logo depois de eleito, em novembro de 2016.

Além disso, que favorece o irmão com funções remuneradas pelo Município. “Enquanto os trabalhadores estão tendo os direitos saqueados, a família Guerra faz a poupança. Saiu aqui da Câmara de Vereadores para assumir a chefia de Gabinete com salário de R$ 13.466,88. Como o salário é pouquinho, ele o está colocando em todas as viagens do Município, fazendo outra poupança, um caixa, com diárias. Como a língua é um chicote na boca do mentiroso, aí está comprovado que Guerra não contrata só amigos, ele contrata parentes, esposa de vereador puxa saco, afilhados, ex-cunhada... Agora, está levando junto para a viagem”, salientou.

Rafael Bueno também criticou a remuneração recebida por Chico Guerra por integrar o Conselho Fiscal da Codeca. Segundo a assessoria da Prefeitura, são R$ 1.253,26 por mês para participar de uma única reunião mensal, recebendo um total de R$ 14.720,14.

PREPARANDO O FUTURO

Ao defender a aprovação de um requerimento de informações de autoria da Comissão de Saúde e Meio Ambiente sobre o caso de três pacientes que aguardam atendimento pelo SUS, o presidente do grupo de trabalho, vereador Renato Oliveira/PCdoB, voltou a tocar no assunto. Segundo ele, o próprio secretário de Saúde, Julio César Freitas da Rosa, ao assumir o cargo, teria afirmado que somente prestaria esclarecimentos sobre a gestão da área, mediante pedido de informações.

Na avaliação do comunista, o prefeito relega a saúde da população e prioriza o bem-estar dele e dos parentes. “A reforma do gabinete do prefeito vai custar R$ 50 mil. O pórtico dos Macaquinhos, R$ 800 mil quase. Eles não estão desperdiçando dinheiro, estão colocando nos seus bolsos. Aproveitar tudo o que der nessa temporada, porque nós estamos em processo regressivo. A família Guerra entende também que é uma forma de sair da Prefeitura de Caxias, com os bolsos forrados, e não para trabalhar para o bem da comunidade”, deduz o parlamentar.





Publicidade