Economia

PREVIDÊNCIA: “Sem reforma, Brasil será nova Grécia”

Para economista, Previdência é a primeira das reformas necessárias
28 de junho de 2019 às 12:19
Foto: Candice Giazzon, CIC/Divulgação

Por que a reforma da Previdência é tão necessária? A resposta foi dada pelo economista Cláudio Branchieri, em palestra no Café com Informação de junho, realizado nesta quinta-feira (27). O evento é promovido mensalmente pelo Conselho da Empresária da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul.

Na defesa da reforma destacou fatos como o envelhecimento da população brasileira, a condição do atual sistema ser uma máquina de produção de desigualdades e porque cobrar os devedores só resolve o problema de um único ano de déficit, que será de aproximadamente R$ 300 bilhões em 2019. “O déficit da Previdência continua subindo. É um castelo que já ruiu, esse sistema acabou, morreu. Sem a reforma da Previdência, o Brasil seguirá no mesmo caminho da Grécia”, afirmou Branchieri ao lembrar que o crescimento médio real das despesas previdenciárias cresce 4,7% ao ano.

Entre as causas apontadas pelo palestrante estão o gasto público em excesso e a estagnação do crescimento econômico. “O investimento está estável desde 2010 e o parque industrial, defasado”, mencionou.  

Branchieri enumerou as principais mudanças promovidas pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados no projeto original. Foram retirados os estados e municípios, a “desconstitucionalização”, o Sistema de Capitalização da Reforma e o BPC. Enquanto isto, foram mantidas as regras para aposentadorias rurais e da contribuição mínima de 15 anos para mulheres. “A reforma da Previdência é a mãe de todas as reformas. Depois dela vem as demais, que definirão o nosso futuro”, observou.