Política

Oposição critica a inércia do Executivo Municipal

Parlamentares disseram que postura do atual governo prejudica a imagem de Caxias do Sul
19 de julho de 2019 às 09:08
Foto: Marisol Santos, Divulgação

Vereadores dos partidos de oposição ao prefeito Daniel Guerra/Republicanos, voltaram a criticar a falta de ações efetivas do Executivo com relação a temas de interesse do Município e da região da Serra. Na sessão desta quinta-feira (18), as críticas foram, principalmente, sobre a infraestrutura.

A primeira manifestação foi do vereador Rafael Bueno/PDT. A declaração ocorreu em aparte à Tatiane Frizzo/SD, que repercutia a audiência realizada na tarde da quarta-feira (17) com o diretor da Secretaria Estadual de Logística e Transportes, Luiz Gustavo Souza, em Porto Alegre, por uma comitiva de vereadores de Caxias do Sul, para tratar sobre a demora na conclusão das obras do trevo de acesso ao Bairro de Forqueta, na RSC-122. “Infelizmente, nessa agenda importante, construída a partir de audiência pública, a Prefeitura de Caxias não estava presente. Também estavam todos os deputados da Região. Diferente fez o prefeito de Farroupilha, que custeou as obras na estrada. Já a nossa Prefeitura vira as costas para problemas importantes da cidade, como é um simples tapa-buraco”, afirmou Bueno.

SEM DIÁLOGO

Os vereadores também lamentaram a falta de diálogo do gestor de Caxias também com autoridades da região. Segundo Kiko Girardi/PSD, na reunião realizada na Capital, a deputada estadual Fran Somensi também criticou o governo Guerra. “É um absurdo para uma cidade do tamanho de Caxias. Falo isso mesmo sendo o prefeito do meu partido, mas nem nós conseguimos ter diálogo”, reproduziu Kiko, as palavras da parlamentar.

Paulo Périco/MDB também se pronunciou em aparte. Ele lembrou que o prefeito Claiton Gonçalves havia cobrado a participação de Caxias na operação tapa-buracos feita na RSC-122. “Não é porque a estrada está no território de Farroupilha que Caxias é uma ilha. Pelo contrário, deveria estar apoiando, porque é uma questão de segurança aos cidadãos. No mínimo, o secretário de Transportes deveria estar lá”, cobrou.

NOVA REIVINDICAÇÃO

O debate sobre a obra do trevo de Forqueta foi levantado pelo vereador Arlindo Bandeira/PP. Ele revelou a entrega ao diretor de documento solicitando estudo técnico para a melhoria do acesso aos distritos de Criúva e Vila Seca, na RSC-453. “Só que, muitas vezes, as coisas demoram a acontecer e o povo tem que se envolver. Ridículo escutar que não tem dinheiro. Que se faça um estudo da entrada de Criúva, que também é uma dificuldade tremenda para acessar o distrito e Vila Seca”, informou.

Além de Bandeira e da proponente da audiência, Gladis Frizzo/MDB, também participaram os vereadores Alceu Thomé/PTB, Kiko Girardi/PSD, Denise Pêssoa/PT, Elisandro Fiuza/Republicanos, Tatiane Frizzo/SD, Velocino Uez/PDT e a vereadora de Flores da Cunha, Claudete Gaio/PDT; o presidente da Amob Forqueta, Calixto Felizzari; e os deputados estaduais Neri, O Carteiro/SD, Fran Somensi/Republicanos, Tiago Simon/MDB e Pepe Vargas/PT.

Escola vertical só em Flores da Cunha

Na sessão desta quinta-feira, outro prefeito da região foi bastante elogiado pelos vereadores. Rafael Bueno se referiu ao anúncio por parte do prefeito de Flores da Cunha, Lídio Scortegagna/MDB, da construção de uma escola vertical. “A promessa de campanha do prefeito Daniel Guerra, que achei ser utópica, se torna verdade em um município vizinho. Parabéns! De 10 a zero aqui. Enquanto isto, Caxias transfere os alunos de uma escola para uma capela funerária, interdita prédios porque não tem qualidade, tudo caindo”, comparou o vereador.

Felipe Gremelmaier/MDB também elogiou Scortegagna, mas na área da assistência social. “Flores da Cunha aporta todos os anos R$ 440 mil na APAE. Um orçamento 10 vezes menor do que o nosso e o investimento absurdamente maior. A gente percebe a diferença de tratamento de uma cidade para outra. Aqui são R$ 140 mil e uma luta para sair o recurso”, salientou.





Publicidade