Política

Moção de Repúdio ao Governo Estadual é aprovada por unanimidade

Vereadores entenderam que medidas atacam os professores e privilegiam a alta classe
07 de novembro de 2019 às 14:09
Foto: Gabriela Bento Alves, Câmara Municipal

Durante a sessão ordinária desta quinta-feira (7), na Câmara Municipal de Caxias do Sul, foi aprovada por unanimidade dos parlamentares a Moção nº 25/2019, de autoria coletiva, de repúdio contra projetos de alteração nos estatutos do servidor público, na previdência estadual e no plano de carreira do Magistério Público Estadual. A matéria é discutida na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.

Relatora da moção, a vereadora Denise Pessôa (PT) declarou que as medidas do governo de Eduardo Leite (PSDB) atacam os direitos dos trabalhadores, uma atrás da outra. Disse que nesta semana, já havia tido as declarações polêmicas em torno do pagamento com só uma parcela do IPVA. Agora, a medida vem contra a classe educadora. “Os professores têm um dos menores salários do Brasil. Há profissionais que estão tendo que fazer faxina para sobreviver. Nós temos que valorizar a classe e dar condições de trabalho”, defendeu a petista.

Em aparte, o vereador Edio Elói Frizzo (PSB) disse que se trata de mais uma tentativa de penalizar os servidores com a classe mais baixa de remuneração. Para ele, o foco da gestão está errado: o Palácio Piratini deveria propor mudanças no Legislativo e no Judiciário. O vereador Paulo Périco (MDB) concordou com a proposta de Frizzo. “Temos procuradores com salário de R$ 29 mil e professores ganhando R$ 1,3 mil. Temos que olhar os demais poderes, que não arrecadam nada e se aproveitam, muitas vezes com a caneta nas mãos”, declarou o emedebista.

Um dos autores da moção, Rafael Bueno (PDT) se manifestou contrário aos “pacotes de maldade que o governador Eduardo Leite tem lançado. São uma estratégia de final de ano para que os professores não tenham reação, já que as férias escolares estão chegando”, de acordo com o pedetista. A sessão foi assistida ao vivo por alunos e professores da Escola Estadual de Ensino Médio Maria Araci Trindade Rojas. Eles estiveram acompanhados de lideranças do Sindicato dos Professores do RS (Cpers).





Publicidade