Política

Mobilização contra a reforma da previdência

Sindicatos, entidades e parte da população participam de atos contrários a proposta
14 de junho de 2019 às 08:21
Foto: Arquivo/Sindihoteleiro

REGIÃO – A mobilização contra a Reforma da Previdência estará mobilizando entidades sindicais e parte da população contrários a proposta que está sendo apresentada pelo governo federal com manifestação nesta sexta-feira(14).

Em Gramado, 19 professores da Escola Ramos Pacheco devem aderir à paralisação. Transporte e outros serviços não devem sofrer alteração. Em Canela, sindicatos estão organizando a partir das 17h, no multipalco da praça João Corrêa, uma manifestação onde integrantes da organização do evento estarão esclarecendo para a população pontos que podem prejudicá-la nesta proposta.

Vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores nos Restaurantes e Hoteleiro de Gramado (Sindihoteleiro) e secretário Estadual da Juventude da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB),Rodrigo Callais falou do envolvimento da entidades organizadoras e por se tratar de um projeto complexo de que forma comunicar com a população para esclarecer os principais pontos da reforma.

“Temos vários sindicatos de Gramado e Canela envolvidos na organização desta manifestação, que integram a Intersindical. Estamos divulgando a atividade e também debatendo cada um na sua categoria e os males que esta reforma vai causar na população, principalmente nos jovens, mulheres e trabalhadores rurais. Estamos fazendo debates públicos com a presença de especialistas na área, todos são unânimes em dizer, esta reforma não combate privilégios, ela na verdade inviabiliza o direito a aposentadoria da maioria da população, retira direitos e se aprovada vai causar miséria e desalento ao nosso povo”, avisou.

Callais manifestou ainda, que ser favorável ou contrário a proposta não pode ter relação alguma das pessoas serem ideologicamente de esquerda e direita,ou não ter identificação política, mas que a reforma da Previdência na sua avaliação deve ser combatida por toda a população.

“Ser contra esta reforma da Previdência, não tem nenhuma relação com direita ou esquerda, esta reforma deve ser combatida por todos que tem um mínimo de sentimento de humanidade e amor ao próximo, por que ela prejudica a todos. Evidente que o governo, que representa o sistema financeiro, utiliza de todas as ferramentas para enganar o povo e fazer com que as pessoas pensem que a Previdência está quebrada, que a reforma vai gerar emprego ou que o país vai crescer se ela for aprovada, mas garanto que isso tudo é mentira”, disse.

O sindicalista pontuou ainda que seja necessária a participação das pessoas nos debates para ficarem melhores “informadas”. “Sugiro que todos se informem sobre a reforma, mas não adianta se informar pelos grandes meios de comunicação, participem dos debates, procurem seus sindicatos, dessa forma todos verão que ser contra a reforma da Previdência é ser a favor do povo, do mais humilde e de todos aqueles e aquelas que trabalham uma vida toda e tem o direito de ter uma aposentadoria digna na melhor idade”, finalizou.





Publicidade
Publicidade