Política

Kiko Girardi manifesta apoio ao impeachment de Guerra

As críticas aos fatos que envolveram o comportamento do prefeito Daniel Guerra/PRB, na reunião-almoço da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC
13 de março de 2019

As críticas aos fatos que envolveram o comportamento do prefeito Daniel Guerra/PRB, na reunião-almoço da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC Caxias), desta segunda-feira (11), originaram várias manifestações das bancadas de oposição, na sessão desta terça (12) do Legislativo. A repercussão foi sobre o balanço do segundo ano de gestão, apresentado pelo prefeito.

No evento, o prefeito quebrou o protocolo montado pela entidade, assinou ordens de serviços de obras, condecorou o trio de soberanas e a presidente da Comissão Comunitária da Festa da Uva, Sandra Randon. Além disso, exibiu o secretariado à frente da mesa principal, em agradecimento pela colaboração recebida na administração pública.

PELO IMPEDIMENTO

A declaração mais polêmica foi do vereador Kiko Girardi/PSD. Na tribuna, ele afirmou que será favorável a um possível novo pedido de impeachment do chefe do Executivo. “Ah, meu amigo, que caia outro processo de impeachment aqui, vai ser política mesmo. Chega! Já estou arrependido. Tenha crime ou não tenha, porque ele está cometendo crime todo dia com a população. Chega de brincar com a minha burrice! Chega! É de irritar”, afirmou.

Ainda conforme Kiko, a atual gestão não dialoga com comunidade. Ele disse que o Executivo toma decisões sem conversar com os setores envolvidos. Ele relatou que, nesta segunda-feira (11), como integrante da Comissão de Educação, acompanhou uma reunião do Ministério Público, entre representantes de Criúva com a secretária de Educação, Marina Matielo. “Escutam, enrolam, mas a decisão deles está tomada. É autoritária, vem de cima para baixo e se cale quem quiser. A gente vai ao Ministério Público, tem que se conter para não falar palavrão, para não ofender as pessoas. Saí de lá totalmente irritado e decepcionado”, reforçou.

FESTA DA UVA

Kiko Girardi também criticou a organização da Festa da Uva. Entre os problemas apontados estão excessiva venda de 50 mil ingressos. Fato que gerou a superlotação dos pavilhões e a dificuldade de acesso a pessoas com ingresso antecipado. Muitas delas, segundo Kiko, vieram de fora e deverão entrar na Justiça contra o Município. “Festa autossustentável. Autossustentável da onde? Autoexplorável. Vai ter processo aí de enxurradas”, projetou.

Com relação ao Fiorin Card, disse que o cartão prejudicou os expositores. “Quantas pessoas não pegaram de volta daquele cartão, maldito cartão. Quem entra na fila de volta? Quanto eles arrecadaram ilicitamente com esse cartão? Brincaram com o povo. Tiraram o dinheiro do povo”, concluiu.

O QUE DISSERAM...

RODRIGO BELTRÃO

“Chega um momento em que a pessoa se indigna com o amadorismo desse governo. Mas, em relação à CIC, tem um ditado que diz o seguinte: quem criou o monstro que o cuide. Quem criou esse prefeito está lá agora reclamando. E o que foi feito na CIC foi um programa de auditório, com carta marcada. Acho até que tinha aquelas placas que levantavam: Aplausos. Precisamos, inclusive, cobrar do povo que elegeu o prefeito, porque agora ninguém é pai, ninguém é mãe”.

ELÓI FRIZZO/PSB

“Caxias virou uma piada em nível nacional e, lamentavelmente, parte dessa desgraceira acaba sobrando inclusive para a Câmara de Vereadores. O projeto do Plano diretor que ele [Guerra] falou na CIC que está atrasado, só numa oportunidade, ficou 126 dias no Poder Executivo. A Câmara, de forma responsável, não está tocando para frente, porque tem que ser buscar um consenso. Se não der o consenso, vamos para o voto, o que vamos fazer?”.

ADILÓ DIDOMENICO/PTB

“Agora, tu tendo um prefeito trabalhando contra, hostilizando, espantando os parceiros da festa, não tem como não sair um balanço diferente do que está hoje circulando nas redes sociais. O prefeito Guerra vai deixar a sua marca com o Fiorin Card. Então, que tenham, no mínimo, a responsabilidade de não marcar por enquanto outra festa, porque desta forma vamos liquidar com a marca que tanto orgulha os caxienses, que é a Festa da Uva”.

RAFAEL BUENO/PDT

“Vereador Fiuza, parabéns pela sua coragem de vir aqui na tribuna defender o indefensável. Agora, fico pensando a plateia que estava lá, como verdadeiros bobos da corte, se prestando, fazendo o verdadeiro papel de puxa-saco para garantir o seu emprego. Porque 70% do público que estava lá eram os puxa-sacos dos secretários e CCs que, ao invés de estarem trabalhando, ouvindo as demandas da população, estavam lá puxando o saco do tal do gestor”.

RENATO OLIVEIRA/PCdoB

“Estão dizendo que deu 600 mil visitantes este ano. Se tiver ano que vem, se tiver 300 mil já está bom. Porque eu não acredito que eles vão querer fazer um fiasco maior do que fizeram ou vão terceirizar também. Vão ter que arrumar gente para fazer a Festa da Uva. Vão pegar aquelas pessoas que já fizeram a Festa da Uva em outras oportunidades e vão dizer assim... Vão pegar lá os agricultores, vão dizer assim: vocês vão ajudar agora, vocês vão participar”.

Fiuza tentou amenizar repercussão negativa

O líder de governo, vereador Elisandro Fiuza/PRB, utilizou a tribuna do Legislativo para defender a atual gestão e destacar algumas das ações enumeradas pelo prefeito Daniel Guerra, na reunião-almoço da CIC Caxias. O chefe do Executivo fez um balanço da metade do governo e projetou obras e investimento até o fim do mandato, em dezembro do ano que vem.

Fiuza abriu o Grande Expediente, ressaltando dados de investimentos de mais de R$ 200 milhões em projetos de infraestrutura e equipamentos públicos, R$ 25 milhões na educação e R$ 15 milhões na saúde, entre outros. “Pensamos que é, de certa forma, de extrema importância, a gente trazer esses dados para a discussão, porque precisamos avançar. Então, gostaria de agradecer a cada qual das senhoras e senhores vereadores, porque precisamos fazer com que essas construções sejam de uma forma plural e com a participação de todos da comunidade”, salientou.





Publicidade