Economia

Indústria de implementos projeta alta de 20% no ano

Entidade revisou para cima as estimativas iniciais de comercialização
11 de julho de 2019 às 09:48

A indústria de implementos rodoviários registrou, no primeiro semestre, variação positiva de 45% sobre o mesmo período de 2018. Foram emplacados 56.187 produtos ante 38.647 do ano anterior. “O ritmo de recuperação segue inalterado nesses seis meses. Por isso, acreditamos que o mercado para 2019 deverá ser superior à projeção feita no final do ano passado”, avaliou Norberto Fabris, presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (ANFIR). A nova estimativa de crescimento é de 20%, atingindo vendas internas entre 106 mil e 110 mil equipamentos.

O segmento de veículos rebocados (reboques e semirreboques) consolidou alta de 59%, com o emplacamento de 30.847 unidades ante 19.415 do primeiro semestre de 2018. Dentre os 15 modelos comercializados, somente três tiveram desempenho negativo: canavieiro, de 21%; tanque inox, 60,5%; e tanque de alumínio, 89% - apenas duas unidades deste produto foram entregues. O equipamento de maior expansão é o dolly, com 121%, e venda de 3.642 unidades. O mais vendido segue sendo o graneleiro/carga seca, com total de 8.552 veículos, e incremento de 75%.

A linha de carroceria sobre chassis apurou crescimento de 32%, com entrega de 25.340 unidades frente às 19.232 do primeiro semestre de 2018. Dentre os sete modelos, o único com recuo foi o baú lonado, com 8,5%, e venda de 129 unidades. O incremento mais expressivo ocorreu em betoneiras, de 280%, chegando a 198 produtos. Os baús de alumínio e frigorífico são os modelos mais vendidos, em torno de 40% do total, com 10.515 unidades, e alta de 15%.

 

Multinacional chinesa prospectalocais para novos investimentos

 

Com projetos de expansão em andamento, a chinesa XCMG Guindastes está prospectando alternativas para instalação de novas fábricas no Brasil. Recentemente, a diretoria da fabricante de equipamentos pesados reuniu-se no Palácio Piratini, em Porto Alegre, com o governador do estado.

No encontro, o presidente da companhia, Wang Yan Song, e o diretor da fábrica no Brasil, Zhou Tian Lei, informaram que ainda não está definido o tipo de investimento que será feito. Adiantaram que, preliminarmente, a intenção é construir unidades para fabricação de geradores de energia e máquinas compactadoras de lixo. Uma das vantagens do Rio Grande do Sul para atrair os investimentos, segundo eles, é a proximidade com a Argentina e o Uruguai.

A fábrica de Pouso Alegre (MG) tem capacidade anual de produção de 7 mil máquinas. São produzidos caminhões guindaste, carregadeiras, escavadeiras, motoniveladoras e rolos compactadores. A multinacional também conta com um centro de distribuição de peças e serviços para América Latina em Guarulhos (SP). A XCMG Guindastes é quinta maior empresa do mundo no segmento de máquinas pesadas e a primeira na China. Atualmente, exporta para mais de 183 países.