Cidades

IPE-Saúde de Caxias está fechado

Usuários precisam se deslocar a cidades vizinhas para resolver questões
26 de agosto de 2019 às 10:55
Foto: Banco de Dados

Para esclarecer e buscar soluções para os diversos problemas que estão acontecendo no IPE-Saúde de Caxias do Sul, como carência de médicos especialistas, e sede fechada há mais de 90 dias, a Comissão de Segurança e Serviços Públicos aprovou a realização de audiência pública, ainda sem data definida. “Juntamente com o funcionalismo público, vamos debater, ter uma visão mais ampla de como está essa questão. A partir disto, ver as possibilidades de melhorias, e cobrá-las dos responsáveis”, ressaltou o autor da proposta, deputado estadual Pepe Vargas/PT.

Há 40 dias, Pepe recebeu ofício das entidades públicas estaduais com subsede em Caxias. Tão logo, requisitou audiência junto ao presidente do IPE-Saúde, onde representantes das categorias pudessem comparecer. Até o momento, nenhuma resposta foi dada. “Sabemos que o fechamento da sede não é um caso isolado. Acontece em todo o Rio Grande do Sul, assim como a falta de algumas especialidades médicas. Mesmo com todas as dificuldades, não justifica os funcionários públicos que moram em Caxias, ter que se deslocar até Bento Gonçalves e Farroupilha para resolver seus problemas relacionados ao IPE”, criticou.

Conforme Pepe, a agência do IPE-Caxias iniciou 2019 fechada devido à troca de local. Em meados de fevereiro, retornou as atividades, mantendo-as até o dia 20 de maio, quando encerrou os atendimentos e deste então segue inoperante. “Já faz mais de 90 dias, e até o presente momento, o estado não providenciou nenhum servidor para fazer o atendimento. É uma vergonha o que esta acontecendo. Demonstra uma total incapacidade do Governo de solucionar um problema extremamente simples. Basta ceder um dos tantos funcionários público, que por diversas questões precisam ser remanejados”, explicou.

Cobranças diárias ao IPE

O Núcleo 1 do CPERS Sindicato – Caxias do Sul, com o apoio de outras repartições pública, já havia entrado com ação no Ministério Público, cobrando soluções por parte do Governo do Estado, diante da estrutura deficitária do IPE-Saúde, e fechamento da sede caxiense. Além disso, havia encaminhado ofício para todos os deputados estaduais e vereadores, relatando as dificuldades enfrentadas. “É uma situação que já se arrasta por longo tempo. Iniciamos o ano com o IPE fechado por mais de 30 dias. Em fevereiro o atendimento retornou em uma sala junto a Central de Matrículas, onde operou por menos de três meses, parando novamente no dia 20 de maio”, contou David Orsi Carnizella, diretor geral do 1° Núcleo.

Conforme o diretor, além da sede fechada, os usuários do IPE enfrentam dificuldades na busca por especialistas como pediatra, anestesista e ginecologista.  Segundo ele, a tabela do plano está desatualizada, o que leva muitos médicos a dar preferência para outros planos. “Cobramos também o reembolso para anestesia, que está muito defasado. Antigamente o plano cobria 50%, hoje entre 20% e 30%. Diariamente recebemos várias ligações, de usuários querendo saber do serviço. Todos os dias entramos em contato com o IPE, repassando as nossas demandas.  Temos orientado aos usuários, que liguem para lá também, afim de colocar uma pressão maior”.

Ampliação de serviços via internet

Conforme a assessoria de Comunicação Social da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão, a qual o IPE-Saúde está vinculado, a interrupção do atendimento aos usuários de Caxias do Sul decorre da aposentadoria da servidora que realizava esta função. “Estamos buscando uma série de medidas no sentido de agilizar o atendimento dos segurados, ampliando gradativamente a disponibilidade dos serviços via internet. Com exceção dos serviços relacionados ao registro do usuário (carteirinha, inclusão de dependente e cancelamentos), as demais situações são todas atendidas via site: www.ipe.rs.gov.br, assim como os horários vagos em cada consultório credenciado”.

A assessoria, cita como exemplo o Sistema Médico IPE Saúde, que no mês de julho, incluiu uma nova funcionalidade para agilizar a autorização via digital (pelo próprio hospital credenciado) para todos os casos com indicação do médico, mas que não tinham cobertura pelo plano de saúde, evitando a necessidade de deslocamento presencial em alguma unidade de atendimento. Ao todo, o IPE-Saúde, é responsável pela assistência médica e hospitalar de mais de um milhão de pessoas , cerca de 13 mil em Caxias.

A nota salienta que, para tentar repor servidores em unidades de atendimento cujas atividades foram interrompidas, o Instituto buscará estabelecer parcerias com as prefeituras. Em especial em localidades onde os próprios servidores municipais também são atendidos pelo IPE-Saúde. No entanto, para Caxias, há a necessidade de realocar um servidor de outro órgão do estado. “Sobre a falta de médicos especialistas,  o IPE-Saúde reúne em Caxias, um total 204 médicos credenciados, algo que poucos planos privados oferecem”. 





Publicidade