Cidades

Hospitais poderão doar excedente de alimentos

Fundação Caxias projeta suprir demanda de mais 550 refeições diárias
31 de julho de 2019 às 11:10
Foto: Clever Moreira, Divulgação

Para fortalecer o programa Banco de Refeições Coletivas, da Fundação Caxias, a Câmara de Vereadores aprovou projeto de lei que inclui restaurantes hospitalares entre os doadores. O programa repassa para entidades assistenciais o excedente de gêneros alimentícios e sobras de alimentos recolhido em empresas, indústrias alimentícias, cozinhas industriais, restaurantes, padarias, supermercados e comércio em geral de Caxias do Sul.

De acordo com o vereador Adiló Didomenico/PTB, autor da proposta, a ampliação do programa era uma demanda da Fundação. “Antes havia dúvidas se o alimento produzido em hospitais, que segue o mesmo padrão de outros estabelecimentos, atenderia aos requisitos necessários. Agora, ele fica regulamentado, com o respaldo jurídico”, explicou o presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Legislação do Legislativo.

Desde 2015, quando teve início, até 2018, o Banco de Refeições Coletivas, serviu mais 445 mil refeições. Para Paulo Poletto, presidente da Fundação Caxias, o texto que mexe na lei 8.158/2016 ampliará a lista de órgãos beneficiados, com o aumento da oferta de alimentos nutritivos, que até então tinham o lixo como destino. “Atualmente, recolhemos 2,5 mil quilos por dia, o que corresponde a 820 refeições, distribuída em 15 entidades. Já temos uma demanda de mais 550 refeições, de seis entidades, que esperamos atender tão logo o projeto seja sancionado pelo prefeito e os contratos com os hospitais fechados”, destacou.

Além disso, Poletto salienta ser importante buscar patrocinadores que custeiem o gasto com o transporte dos restaurantes até as entidades. “A ideia é sempre alcançar o maior número possível de estabelecimentos que produzem alimento e patrocinadores. Somente desta forma poderemos atingir maior número de pessoas, principalmente crianças e jovens. Além de cooperar com o meio ambiente, com redução no descarte de resíduo”, frisou.