Economia

Gerente do Sicredi projeta década de expansão

10 de julho de 2019 às 09:02
Foto: Exata Comunicação, Divulgação

Em palestra no Centro da Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves, o gerente de Análise Econômica do Sicredi, Pedro Ramos, disse estar otimista em relação ao futuro do país. Principalmente, porque enxerga vontade política de mudar, mesmo que, por vezes, governo e Congresso pareçam dialogar em línguas diferentes. "Estamos plantando uma semente para termos uma década de expansão", definiu.

Entre elas, está a reforma da Previdência, com economia estimada em R$ 900 bilhões. Com sua aprovação, outras entrarão na agenda, inclusive com mais agilidade na decisão, caso da reforma tributária, prevê Ramos. Elas são vistas como essenciais para devolver a confiança a empresários e trabalhadores. Cita a política de privatização do governo que permitiria investimentos públicos, acelerando a retomada da economia. "Somos a oitava economia do mundo, e o governo controla a cadeia de petróleo e gás, uma parte importante do setor elétrico, metade da atividade bancária e uma parte importantíssima de distribuição de mercadorias", recordou.

Ramos entende que os grandes desafios do governo são retomar o crescimento da economia e reduzir a alta de desemprego. Para ele, o índice teria que ficar abaixo dos 10% - hoje está em 12,3%, de acordo com o IBGE. O economista está otimista também porque o governo demonstra grande preocupação para atingir esse objetivo, estancando o endividamento público e mudando políticas públicas, como o excesso de subsídio na economia e os baixos investimentos em educação básica.

Ramos espera que, mesmo com crescimento econômico em torno de 0,6% neste ano, em 2020 o país deve registrar alta de 2%. "A recuperação é mais lenta porque o governo está segurando os gastos públicos. Para o ano que vem, a Argentina deve melhorar a economia, a confiança será maior com as reformas e o juro um pouco mais baixo, ajudando no consumo. Então, teremos um ano melhor", reforçou.





Publicidade