Economia

GRANIZO: Safra de caqui será 50% menor em Farroupilha

Fruta foi danificada pela chuva de granizo quando estava pronta para a colheita
18 de junho de 2019 às 13:17
Foto: BD

A Emater/RS-Ascar promoveu reunião técnica com produtores de caqui, na Linha 47, em Farroupilha. Manejo dos caquizeiros atingidos por granizo, entendimento do distúrbio fisiológico do descolamento do cálice e orientações para o controle da antracnose foram os principais temas abordados pelo engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar, Enio Todeschini. O secretário da Agricultura, Fernando Silvestrin, prestigiou a atividade.

Em Farroupilha, 168 produtores cultivam uma área de 200 hectares da frutífera. A colheita da safra deste ano está sendo concluída, com estimativa pela Emater/RS-Ascar de redução de quase 50% no volume produzido, que deverá ficar em torno de 1.800 toneladas. Isso se deve principalmente ao granizo ocorrido no dia 13 de abril, que atingiu 120 hectares de caquizeiros no município no momento em que a fruta encontrava-se madura e pronta para ser colhida. Para evitar o desenvolvimento de doenças nas próximas safras, Todeschini orientou sobre o manejo necessário, tanto das frutas como das doenças, entre eles tratamentos para cicatrização dos danos nas frutas e nos galhos.

O agrônomo também tratou do descolamento do cálice, um distúrbio fisiológico que teve alta incidência neste ano, sendo a variedade fuyu ou chocolate branco a mais suscetível. “Esse distúrbio ocorre devido a um descompasso na velocidade de crescimento do cálice e da polpa. Se a intensidade de descolamento se aprofundar na polpa torna o caqui inadequado para o comércio, pois parte da fruta fica com sobrematuração, perdendo sua consistência”, explica.

Todeschini também orientou sobre o manejo para o controle da antracnose. “O controle efetivo desta doença só é possível com a adoção de diversas práticas culturais de forma conjunta: tratamento de inverno, manejo racional da adubação nitrogenada, podas seca e verde adequadas e, principalmente, coleta e destruição, por meio de enterramento, de todas as frutas com sintomas da doença”, detalhou.





Publicidade