Coronavírus

Flores da Cunha decreta toque de recolher

População não pode sair às ruas entre 21h e 6h
22 de março de 2020 às 21:11

Proibição se estenderá por duas semanas (Prefeitura de Flores da Cunha, Divulgação)

Em Flores da Cunha, a Prefeitura decretou, na manhã de sábado, 21, estado de calamidade pública pelo período de 15 dias. Além das medidas restritivas comuns, o documento instituiu o toque de recolher em todo o município, das 21h às 6h. O transporte coletivo urbano municipal e de fretamento de passageiros está operando com 50% da capacidade de passageiros sentados de cada veículo.

Já o Centro Empresarial lançou uma campanha de arrecadação de dinheiro para a compra de respiradores para uso nos hospitais da cidade. A iniciativa ainda tem o apoio da Câmara dos Dirigentes Lojistas, Conselho de Segurança Pública e Sindicato dos Trabalhadores Rurais. “Cada um contribui da forma que conseguir. Tomara que não seja preciso utilizar, mas, se for necessário, teremos condições de atender a quem precisar”, conclamou o presidente da entidade, Alessandro Cavagnoli. O objetivo é arrecadar R$ 126 mil.

Em Nova Pádua, pelo período de 10 dias, a contar de sexta (20), está suspensa a circulação de veículos de transporte coletivo urbano e de fretamento. Bares, restaurantes e similares só podem prestar serviços de teleentrega, vedado o atendimento presencial ao público. Hotéis também estão proibidos de receber novos hóspedes. As indústrias, respeitadas as restrições à circulação de pessoas, deverão operar com capacidade mínima. Por 30 dias estão proibidos eventos e reuniões de qualquer natureza, de caráter público ou privado, incluídas excursões, cursos presenciais, missas e cultos religiosos.

Exames e testes laboratoriais compulsórios

Em Garibaldi, o prefeito Antonio Cettolin determinou, em decreto publicado na sexta, a realização compulsória de exames médicos, testes laboratoriais, coleta de amostras clínicas, vacinação e outras medidas profiláticas, e tratamentos médicos específicos. Também determinou estudo ou investigação epidemiológica e requisição de bens e serviços de pessoas naturais e jurídicas, hipóteses em que será garantido o pagamento posterior de indenização justa. Também dispensou a licitação para aquisição de bens, serviços e insumos de saúde destinados ao enfrentamento do coronavírus.

O decreto fixa a suspensão temporária das atividades da Administração Pública, com exceção dos serviços essenciais, determinados por secretaria, que operarão em sistema de escala entre os servidores. A forma de compensação das horas, segundo o decreto, será definida posteriormente. Os restaurantes poderão operar desde que a lotação não exceda a 50% da capacidade máxima prevista no alvará de funcionamento, mas com a orientação de priorizar os serviços de tele-entrega.

Em Farroupilha, na sexta-feira, a Prefeitura alterou de situação de emergência para de calamidade. Dentre as primeiras medidas sob o novo regime, suspendeu as atividades de indústrias não essenciais à população. Mercados e fruteiras devem limitar o acesso de uma pessoa por família, além de respeitar a distância de 1,5 metro entre os consumidores em filas. Desta forma, as atividades da cadeia de serviços e comércios essenciais, como fornecedores, transporte e distribuição também estão autorizados a trabalhar.

As medidas restritivas, anunciadas pelo prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin, na sexta, têm validade até o dia 5 de abril. Foi criada linha exclusiva no transporte público coletivo destinada ao atendimento de trabalhadores dos serviços essenciais, principalmente nas áreas da saúde e segurança.