Cidades

Filas nas unidades básicas formam-se a partir de 4h

Em nova vistoria, integrantes da Comissão de Saúde da Câmara voltaram a encontrar pessoas ao relento em busca de atendimento médico
04 de junho de 2019 às 12:56
Foto: Marcio Schenatto, Divulgação

Na madrugada desta segunda-feira (3), os vereadores Felipe Gremelmaier/MDB, Paula Ioris/PSDB e Renato Oliveira/PCdoB (presidente), representantes da Comissão de Saúde e Meio Ambiente do Legislativo caxiense, realizaram uma visita às unidades básicas de saúde (UBSs) dos bairros Desvio Rizzo e Esplanada. Os parlamentares conversaram com os usuários, que relataram como tem sido a busca por consultas, nas mais diversas especialidades da saúde. Mesmo com a temperatura em torno dos 13 graus centígrados e a chuva fina, dezenas de caxienses esperavam, durante horas, por atendimento, nas unidades.

Durante a visita na UBS do Desvio Rizzo, a vereadora Gladis Frizzo/MDB acompanhou junto com comissão a atual situação. Cerca de 10 pessoas estavam na fila, aguardando por atendimento. Uma placa, no portão, anunciava que os agendamentos para consultas com dentistas deverão ser feitos somente nesta quarta (5).

Érica Andres, de 71 anos, estava na fila desde às 5h15, para conseguir vaga. Carlos Boeira, morador do bairro, precisou faltar ao trabalho, para tentar consultas a ele e aos filhos. "O pessoal reclama porque é muito difícil. Todos precisam vir cedo, mesmo com frio e chuva. São idosos, pais com crianças pequenas, trabalhadores que precisam faltar serviço, e todos precisam dar um jeito", relatou.

Na unidade do Bairro Esplanada, aproximadamente 25 pessoas aguardavam na fila, quando a Comissão de Saúde chegou por volta das 6h20. Perto das 7h, cerca de 40 pessoas formavam a fila em busca de atendimento, na UBS, que inicia os trabalhos às 7h30. As filas se dividiam em duas: uma para consultas com clínico-geral e pediatra; a outra para serviços laboratoriais.

Um cartaz anunciava a disponibilidade de 27 vagas, na UBS Esplanada, sendo que havia apenas sete para consultas pediátricas. Lucas Rech, morador da localidade, de 23 anos, precisou chegar às 4h para garantir atendimento à filha. "Minha mulher vai trazer a minha filha para ser consultada, e ainda não sei se vamos conseguir. Têm dias em que viemos cedo e conseguimos marcar somente para o turno da tarde ou para o dia seguinte", contou. Na madrugada da sexta-feira (31), a comissão foi apurar a situação das UBSs dos bairros Fátima Alto, Parque Oásis, Reolon e Vila Ipê.





Publicidade