Política

Fechamento de plantão da Farmácia do Ipam é considerado medida ilegal

Vereadores da oposição repercutiram a possibilidade de encerramento da prestação do serviço, previsto em lei municipal
24 de abril de 2019 às 12:18
Foto: Gabriela Bento Alves, Divulgação

O assunto considerado mais polêmico na sessão legislativa desta terça-feira (23) foi provocado pelo vereador Elói Frizzo/PSB: a possibilidade de a direção da Farmácia do Ipam fechar as portas durante a madrugada. A alegação é o déficit gerado pelo plantão noturno, segundo dados apresentados pela diretora-executiva, Claudete Kremer Sott, aos integrantes da Comissão de Saúde e Meio Ambiente, realizada na tarde de segunda-feira (22).

O plantão foi instituído por meio de uma lei, de 1991, de autoria de Frizzo. “Alegando déficit imaginário de alguns valores já se trabalha então a ideia do fechamento do horário noturno. Mas o que é isso prefeito Daniel Guerra? O senhor não é um cumpridor da lei? O senhor não é um legalista? Determine que a sua diretora cumpra a lei ou então encaminhe um projeto de lei a esta Casa. Pare de destruir o que existe de bom em Caxias. Parem de desconstruir a cidade. É só isso que sabem fazer nesses dois anos e meio”, afirmou.

Segundo Frizzo, uma das causas do déficit alegado pela gestão da Farmácia teria sido uma indenização trabalhista de R$ 150 mil paga a uma servidora com estabilidade, mas que foi demitida por justa causa e retornou ao trabalho, amparada por decisão judicial. “Os servidores que estão lá perguntam de onde que saíram os R$ 150 mil? Do lucro da Farmácia, por isso que ela não está dando lucro. Estão pagando indenizações grandiosas para servidores que não querem sair de lá. Então, vai querer justificar com o corte do plantão noturno”, explicou.

O QUE DISSERAM...

ALCEU THOMÉ/PTB

“Para nós não é surpresa. Eu falava no início da gestão, que era a Operação Salame: cortava um pouco de cada vez para acabar com a Farmácia do Ipam e, na verdade, estão conseguindo isso. Além disso, tem essa perseguição aos funcionários, o pessoal fica em pânico lá dentro, porque não sabe até que dia aquilo vai ficar aberto”.

DENISE PESSÔA/PT

“Vejo que o prefeito precisa seguir a lei. Ele é tão legalista, defende tanto as leis. Desde o primeiro dia do governo, eu não sei o que tem, é uma queda de braço. Eles querem entregar a Farmácia do Ipam para quem? Não sei, talvez algum psicólogo consiga resolver qual é o problema do prefeito com a Farmácia do Ipam”.

ADILÓ DIDOMENICO/PTB

“A maneira mais fácil de fechar uma instituição que dá lucro é deixar faltar estoque. Não tem giro, não tem renda. É o que ele estão fazendo. Então, ele [Guerra] vai fechar a Farmácia do Ipam por uma maneira ou por outra. Como ele fez com o prédio lá em Galópolis, não deu um jeito? Acabaram interditando”.

ALBERTO MENEGUZZI/PSB

“Ela [Claudete] apresentou números irreais. A farmácia não está dando prejuízo. Os pedidos de informações que fiz desde 2016 mostram lucro. Ela disse que contratou um coach para os servidores, que eles choraram de emoção. Ele custou R$ 12 mil. Os servidores estão chorando por causa do assédio moral, não pelo coach”.





Publicidade