Economia

Famílias sinalizam alta na confiança para o consumo

Pesquisa da Fecomércio-RS indica início de recuperação mais concreta
26 de setembro de 2019 às 09:32

Setembro marcou o segundo mês consecutivo de crescimento da Intenção de Consumo das Famílias (ICF), ao registrar 91 pontos, que ainda segue no patamar pessimista. Comparado ao mesmo período de 2018, a alta foi de 8,1%, de acordo com a pesquisa divulgada pela Fecomércio-RS. Dos componentes do ICF que captaram a elevação frente ao mês anterior destacaram-se o consumo de bens duráveis, 3,4%; o acesso a crédito, 2,3%; e a perspectiva de consumo, 1,5%.
O presidente da entidade, Luiz Carlos Bohn, acredita que o resultado pode representar o início da recuperação na intenção de consumo dos gaúchos, com redução gradual do pessimismo. "É muito importante que a intenção de consumo das famílias continue crescendo. Confiança é um ponto fundamental para haver consumo", comenta Bohn.

A percepção quanto à situação atual do emprego segue em otimismo moderado, com 111,3 pontos, tendo o indicador registrado queda de 2,8% frente a agosto deste ano. Relativamente a setembro de 2018, foi verificada alta de 5,4%. Com 102,9 pontos, o indicador referente à situação de renda atual apresentou crescimento, tanto na margem quanto na comparação interanual, refletido mais na elevação de 1,4% para famílias com renda superior a 10 salários mínimos do que naquelas com renda inferior, que ficou limitada a 0,3%.
Com aumento de 0,9% em comparação com agosto e 5,1% frente ao mesmo mês de 2018, o indicador referente ao nível de consumo atual se aproxima da linha de neutralidade, 99,6 pontos. A avaliação sobre a facilidade de acesso ao crédito atingiu 74,9 pontos, e teve aumento de 2,3% em relação ao mês anterior. Na comparação interanual houve alta de 28,7%.

Sobre consumo de bens duráveis, a pesquisa apurou 66,4 pontos, o que representou alta de 6% frente ao mesmo período de 2018 e de 3,4% em comparação ao mês anterior. Apesar do segundo avanço na margem, o indicador que representa o investimento segue baixo em termos históricos.

A perspectiva profissional alcançou 81,7 pontos, avanço de 4,2% em comparação a setembro do ano passado. Já a projeção sobre consumo registrou 101,1 pontos, crescimento de 10,6% em relação a 2018 e de 1,5% sobre o mês anterior.