Cidades

Exigências de empresas criam dificuldades às contratações

Coordenador do Sine Caxias cobra mais diálogo entre empresários e poder público para garantir aumento da empregabilidade
18 de junho de 2019 às 13:27
Foto: Thiago da Luz Machado

A agência da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social/Sistema Nacional de Emprego (FGTAS/Sine) de Caxias do Sul registrou, nos primeiros cinco meses do ano, a emissão de 2.246 carteiras de trabalho em primeira via. “É uma situação preocupante. São pessoas de todas as faixas etárias, que nunca trabalharam de carteira assinada. Muita gente que atuava na informalidade, mas que agora quer ingressar no mercado formal”, ressaltou o coordenador do Sine Caxias, Valmir Funari, que assumiu a agência em julho do ano passado.

No mesmo período também foram encaminhados 6.508 seguros-desemprego. Outra fato que deixa a situação ainda mais alarmante. Mesmo com a oferta média diária de 100 vagas para os mais diversos segmentos, Funari disse que encontra muita dificuldade para fazer encaminhamentos para entrevistas em razão de dois critérios que se sobrepõe à idade da pessoa. “Todas as vagas exigem ensino médio completo e, no mínimo, seis meses de experiência. Mesmo que a pessoa tenha experiência, mas não podendo comprovar, o encaminhamento é inviável. É necessário criar uma regra ou legislação que determine a contratação de uma cota de funcionários sem experiência”, defendeu.

Para Funari, é importante que empresários e poder público municipal dialoguem para encontrar uma solução que contribua para resolução deste impasse. Existem vagas, mas o número de encaminhamento para entrevistas é baixo, em torno de 12 por dia. São pessoas de todas as faixas etárias a partir dos 18 e passando dos 60 anos. “Os principais responsáveis pela empregabilidade do município precisam debater esses dados. Do contrário, a tendência é que esses números aumentem cada vez mais. Tem muita gente procurando emprego, mas poucos atendem aos requisitos básicos. Fica difícil preencher essas vagas, e diminuir o desemprego em Caxias”, ressaltou.

 

Estimativa é que 20 mil continuem sem emprego

 

Dando embasamento ao seu argumento, Valmir Funari, alega que, se a experiência fosse um fator tão fundamental, não haveria necessidade de contrato de 90 dias, mesmo para pessoas já em atividade comprovada. “Ainda mais se levarmos em conta que recém passamos por uma das maiores crises, e que se refletirá por mais alguns anos. Muita gente foi trabalhar na informalidade, este é um ponto a se considerar. Não se pode exigir experiência, quando recém estamos saindo de um período de recessão, de fechamento de postos de trabalho. Creio que toda pessoa é capaz de desenvolver determinada função, se a ela for dado um tempo mínimo. Além do mais, nada garante que uma pessoa com experiência dará certo”, observou.

Conforme Funari, a estimativa é que Caxias ainda tenha cerca de 20 mil pessoas desempregadas, que vêm sendo recolocadas mês a mês de forma lenta e gradual. “Seguindo nesse ritmo, acredito que levaremos de dois a três anos para que o mercado possa absorver esses trabalhadores. No entanto, é necessário que empresas sejam mais flexíveis nos seus requisitos, dando oportunidade para quem quer trabalhar. E os trabalhadores precisam buscar capacitação. O primeira passo é concluir o ensino médio. Sem este, fica muito complicado”, ressaltou.

Para Funari, o fato de o Sine disponibilizar média diária de 100 vagas não é somente reflexo de recuperação da economia. Se analisar o alto número de encaminhamento de seguro-desemprego, o indicativo é de muita rotatividade. “Isso é ruim para a empresa devido ao gasto que tem, e para o trabalhador que terá a sua carteira picoteada, o que será outro entrave para conquistar emprego no futuro”.

 

COMUNIDADE

 

Novos focos do Aedes

 

Subiu para 32 o número de criadouros do mosquito Aedes aegypti encontrados em Caxias do Sul. Os dois últimos focos do inseto responsável por transmitir dengue, zika vírus e febre chikungunya foram localizados no Bairro Centenário, durante visitas de rotina, pelos agentes de combate às endemias. As larvas estavam em uma residência, dentro de um pneu, e em um estabelecimento comercial, em uma fonte. O número de criadouros identificados é quase o dobro de todo o ano passado.

 

Atenção aos migrantes

 

O Ministério Público Federal em Caxias do Sul/RS realizará reunião aberta nesta terça (18), às 14h, para tratar da política municipal de atenção à população migrante, visando subsidiar o projeto de lei municipal 84/2018. O encontro ocorrerá na sede da Procuradoria da República no município e tem como objetivo discutir e receber propostas para viabilizar os direitos dos migrantes. A reunião será conduzida pelo procurador da República Fabiano de Moraes, que integra o Grupo de Trabalho Migrações da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão. Estarão presentes representantes dos migrantes, do Centro de Atendimento ao Migrante, da Câmara de Vereadores, Prefeitura de Caxias do Sul, Universidade de Caxias do Sul e Faculdade da Serra Gaúcha (FSG), sendo permitida a participação de qualquer interessado na temática.

 

Proteção de dados pessoais

 

Por meio da área do conhecimento de Ciências Jurídicas, a Universidade de Caxias do Sul promove nesta terça-feira (18) o debate sobre a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais e Compliance, às 19h30, no auditório do Bloco J. A proposta é reunir acadêmicos, profissionais e interessados de áreas como Direito, Administração, Ciências Contábeis, Informática e Tecnologia da Informação para discutir a importância da Lei no processo de compliance das empresas.

Educação no mundo digital

 

Na segunda (24), o polo da Unicesumar em Caxias do Sul promove palestra sobre a evolução da educação em um mundo digital. A apresentação do especialista Adriano Albano, de Blumenau (SC), terá início às 19h. O ingresso é a doação de um quilo de alimento.