Economia

Especialista em gestão, Sandro Magaldi alertou que organizações estão falindo por fazerem, ainda que corretamente, a mesma coisa por muito tempo

“Empresas concorrem, agora, com as transições de mercado”
16 de julho de 2019 às 10:12
Foto: Julio Soares, Divulgação

Autor de cinco livros de negócios, incluindo o best-seller “A gestão do amanhã”, Sandro Magaldi palestrou na reunião-almoço da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC), nesta segunda-feira (15). Evento de abertura da programação do 25º Seminário Competitividade & Qualidade, a reunião-almoço teve como enfoque a transformação da economia, baseada em rupturas, e o impacto na sociedade. “Em nenhum momento, na história da humanidade, aconteceram tantas e tão intensas transformações. As empresas não concorrem mais com seus concorrentes diretos, mas com as transições de mercado”, afirmou.

Segundo Magaldi, empresas e líderes que não conseguem fazer a melhor leitura das mudanças estão ficando pelo caminho, citando casos como Kodak, Nokia, Motorola, Abril, Sears e BlackBerry, entre outras. “Empresas estão morrendo por fazer a mesma coisa, corretamente, durante muito tempo”.

Mas acrescentou que, a despeito de todas essas ameaças, existe uma grande oportunidade para quem se mexer mais rápido. “É darwinismo na veia”, ilustrou. Para ele, o empreendedorismo é o grande vetor da transformação dessa nova sociedade. E argumentou que a grande transformação se dará quando o tradicional se alinhar ao novo.

O palestrante citou também exemplos de organizações que, mesmo sendo indústrias, estão derivando para se tornarem empresas de serviços, como o caso das montadoras com os carros compartilhados. Explicou que as empresas que estão enxergando oportunidades na transformação comportamental da sociedade mudaram todo seu mindset. “Se não mudarmos o modelo mental dos colaboradores, nada muda”, salientou. E enfatizou: “A transformação vai acontecer. Escolham ser protagonistas. Se aventurem ao novo, aprendam a desaprender e a aprender de novo. Não temos que nos afastar da tecnologia, temos que nos aproximar, testar, usar. E não importa o porte do seu negócio, é preciso pensar de forma ambiciosa e audaciosa”.

 

DIA DO COMERCIANTE 

A reunião-almoço da CIC desta segunda-feira também foi alusiva ao Dia do Comerciante, comemorado anualmente em 16 de julho. Para homenagear o setor, o evento foi conduzido pelo vice-presidente de Comércio da entidade, Jaime Andreazza. Ele lembrou os primórdios do comércio em Caxias do Sul e enalteceu o crescimento do setor.





Publicidade