Economia

É Natal! Em Caxias, parece que não!

Maioria dos consumidores ouvidos em pesquisa tem a percepção de que cidade ainda não vive o clima natalino
17 de dezembro de 2019 às 17:04

Detalhamento da pesquisa foi feito na manhã de terça-feira, 17 (Foto Regina Lain, CDL, Divulgação)

Para 61% dos entrevistados em pesquisa conduzida pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Caxias do Sul, são raras as iniciativas para despertar o espírito natalino na cidade e indicam que gostariam de maior envolvimento. Outros 25% dizem não ter notado nada ainda e 14% asseguram que houve mudança total. “Os dados comprovam que a cidade carece de um ambiente melhor”, avalia o presidente da CDL, Ivonei Pioner, destacando que a entidade fez a sua parte, criando uma campanha de decoração do comércio.

Decoração de lojas, por sinal, é apontada por 70% dos entrevistados como motivadora de compras nesta época do ano. Das 2,5 mil lojas associadas à entidade, em torno de 600 aderiram à campanha e receberam material gratuitamente para ambientar seus espaços. A CDL também trabalhou junto a algumas igrejas para iluminar os templos. “Mas é preciso fazer mais”, destacou.

Situação atípica neste Natal é total falta de decoração natalina na Praça Dante Alighieri, pois a Administração Municipal optou por investir valores na casa dos R$ 300 mil, entre montagem e shows, no espaço em frente ao prédio da Prefeitura. Da mesma forma, as principais ruas e avenidas da cidade estão sem qualquer atrativo público, exceto iniciativas de algumas empresas. Apenas 7,7% dos entrevistados responderam que a decoração da cidade os ajuda a lembrar que é período de Natal. Outros 19,5% apontam a decoração nas lojas. A maioria, 30%, indica promoções específicas como motivadoras. “O varejo fez sua parte, mas é pouco. Para 2020, é preciso agregar mais gente e organizações”, adianta Pioner.

RETOMADA DA CONFIANÇA

Em que pese a falta de ambiente natalino, o consumidor caxiense parece estar mais confiante com a situação atual e futura. Tanto é que o ticket médio do Natal deste ano deverá ser 20% superior ao da data passada, chegando aos R$ 485,73, valor muito próximo aos projetados no estado e no país. “Esta expectativa revela que, efetivamente, há um processo de recuperação da economia e segurança com o mercado de trabalho. Mas também pesa no percentual o fato de a base de comparação ser fraca”, avalia Cleber Figueiredo, coordenador de TI da entidade e responsável pela condução da pesquisa.

Com base no valor do ticket médio e na projeção de que 62% dos entrevistados pretendem fazer compras para o Natal, a expectativa de crescimento neste Natal sobre o de 2018 é de 5% a 6%. “É um índice conservador”, indica Figueiredo.

De acordo com a pesquisa, os estabelecimentos que trabalham com roupas e acessórios e brinquedos terão os maiores movimentos. Juntos, representam 50% das preferências para presentes. Ainda se destacam perfumes e cosméticos, com 12%, e calçados, com 9,4%. Ao contrário de anos anteriores, quando os presentes eram concentrados em alguns segmentos, neste Natal há uma forte pulverização, abrindo oportunidades interessantes para livros, por exemplo.

Como vem sendo comum nas datas comemorativas deste ano, o pagamento à vista é a opção escolhida por quase 70% dos consumidores ouvidos. Destes, 57% pagarão em espécie e 11% no cartão de débito. O cartão de crédito será usado por 21%, crescimento de seis pontos sobre o ano passado. “Temos aí mais um exemplo de confiança”, ressalta Renato Corso, que assumirá a presidência da CDL em janeiro próximo. Outro indicativo é a retomada do crediário junto às lojas, opção de 7% dos clientes, numa demonstração de redução da inadimplência e de retomada da confiança pelo empresário.

Com indicação de 49%, as lojas de rua do Centro são as preferidas para as compras de Natal. As lojas de rua de bairros participam com 8%. Em alta, a opção por estabelecimentos localizados em shoppings, com 27%. A grande afluência ao comércio deve ocorrer nos próximos dias, pois 41% dos entrevistados informaram que farão as compras uma semana antes do Natal e 5% deixarão para véspera ou para o dia 25 (se encontrarem alguma loja aberta).

Presentear familiares é a motivação de 80% dos consumidores neste Natal. Outros 7,5% farão doações e os demais informaram destinos variados, como filhos de amigos. Por conta, principalmente das doações, os supermercados aparecem como opção de compras de 6% dos entrevistados.