Política

CASO HORTÊNSIAS: Legislativo convoca secretária

09 de agosto de 2019 às 09:19
Foto: Divulgação

O requerimento de convocação da secretária municipal de Turismo, Renata Carraro, foi aprovado por unanimidade, na sessão de ontem (8). A intenção é esclarecer os fatos que envolveram a decisão do Executivo em ingressar na Região das Hortênsias. O fato chegou a gerar a possibilidade de Caxias do Sul ser excluída do Mapa do Turismo Brasileiro. A proposta é dos vereadores Gustavo Toigo/PDT, Adiló Didomenico/PTB e o presidente da Comissão de Educação, Cultura, Turismo e Esporte, Edson da Rosa/MDB.

O pedetista relatou que o Legislativo teve que pedir ajuda ao governo estadual para solucionar a questão da exclusão de Caxias do Mapa. Ele comentou a reunião realizada no dia anterior, com o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rui Irigaray, na capital gaúcha. A agenda foi intermediada pelo deputado estadual Neri, O Carteiro. “Essa decisão de o Município bater o pé, de ter essa teimosia, pode gerar uma responsabilidade no futuro. A posição do Legislativo foi importante, agindo nessa interlocução com os demais setores da sociedade, principalmente do setor produtivo, que é a CIC, a UCS e Sindicato dos Trabalhadores Rurais. Desta forma, levamos a postulação ao governo do Estado para interferir e ajudar Caxias a permanecer na Região Uva e Vinho”, afirmou.

Renata Carraro ou Daniel Guerra?

Este foi o questionamento de dois vereadores. Velocino Uez/PDT acredita que a secretária de Turismo precisa esclarecer de quem foi a ideia de ingressar na Região das Hortênsias. Fato que ele considera como sem procedência.

“Qual é o debate que foi feito? Uva é a nossa história, por que tirar isso? Qual é a entidade que foi ouvida? Com quais órgãos foi debatido? Tem aquela ideia de contratar um cara que faz festa de chope para fazer a Festa da Uva. Talvez quisessem tirar a nossa história”, alegou.

Paulo Périco/MDB foi além. Ele considera que as convocatórias de secretários nada esclarecem, porque são mandados pelo prefeito para responder as perguntas previamente enviadas pelo Legislativo. “Agora, o prefeito vir aqui e antes pedir as perguntas? É uma vergonha, mas temos que chamá-lo. Se ele não vier, não tem coragem, e é mais uma vergonha em seu currículo, porque não tem coragem de vir a esta Casa agora como prefeito”, analisou.

Contudo, sugeriu que a Câmara convide Daniel Guerra para dar explicações sobre o governo dele. “Se quiser um tapete vermelho ao Rei, não tem problema, nós conseguimos um emprestado e colocamos aqui para que ele entre como Imperador. Inclusive, podemos conseguir uma cadeira emprestada como trono para ele sentar ali na Mesa”, ironizou.





Publicidade