Economia

Brasil deve apurar recorde na próxima safra de grãos

AGRONEGÓCIO
11 de outubro de 2019 às 10:01

O primeiro levantamento da safra de grãos 2019/2020, divulgado nesta quinta-feira (10) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), indica que a produção brasileira está estimada em 245,8 milhões de toneladas, aumento de 1,6%, ou seja, 3,9 milhões de toneladas a mais em relação à safra atual. Trata-se de um recorde para o setor. Quanto à área plantada total no país, a expectativa é que sejam cultivados 63,9 milhões hectares, variação positiva de 1,1% em comparação à safra 2018/2019.

O estudo aponta ainda que o milho primeira safra tem produção estimada em 26,3 milhões de toneladas, alta de 2,5%, e crescimento de 1% na área, totalizando 4,14 milhões hectares. Já a segunda safra, que representa cerca de 70% do total do grão, só começará a ser plantada após a colheita da soja que vem mantendo tendência de crescimento na área plantada e indica expansão de 1,9% em relação aos números da safra anterior, com 120,4 milhões de toneladas.

A produção de feijão, devido a problemas de chuva na colheita nas safras anteriores, indica queda de 3,9% na área a ser cultivada. A cultura perde espaço para o milho e a soja, que apresentam melhor rentabilidade. O arroz tem produção estimada em 10,6 milhões de toneladas, resultado 1,9% superior à safra de 2018/2019, mesmo com redução de 0,6% na área a ser cultivada, totalizando 1,7 milhão de hectares.

No caso do algodão, a Conab informou que houve aumento de 1,2% na área cultivada, alcançando 1,6 milhão de hectares. Para o trigo, a safra 2019 ainda não foi totalmente colhida e a projeção é que este cereal alcance cerca de 5,1 milhões de toneladas.

Produção deste ano crescerá 6,3%

A safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve fechar o ano em 240,7 milhões de toneladas, alta 6,3% sobre a produção do ano passado. De acordo com a projeção de setembro do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, divulgada nesta quinta (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a safra deve ser 0,4% maior do que a estimada na pesquisa de agosto.

Entre os produtos que devem puxar essa alta está o milho, uma das três principais lavouras de grãos do país, cuja produção deve crescer 23,1%. Outros grãos que deverão ter acréscimo são o algodão herbáceo (39%), feijão (2,9%), sorgo (14,6%) e trigo (3,1%). Por outro lado, duas das principais lavouras devem fechar o ano em queda: soja (-4,3%) e arroz (-12%). A área colhida de cereais, leguminosas e oleaginosas foi estimada em 63,1 milhões de hectares, ou seja, 3,5% a mais do que em 2018.

Além dos grãos, o IBGE estima a produção de outras lavouras, como a cana-de-açúcar, principal produto agrícola do país, que deve fechar o ano com queda de 1,2%, e o café, com 16%. Também devem ter quedas o tomate (2%), a batata-inglesa (0,3%) e a uva (11%). Banana (5,1%), laranja (6,3%) e mandioca (3,5%) devem ter alta.





Publicidade