Cidades

Bloqueios de rodovias marcaram manhã de sexta

Lideranças também caminharam pelas principais ruas da cidade
17 de junho de 2019 às 12:58
Foto: Daniela Fagundes, Divulgação

Contrários à reforma da Previdência proposta pelo governo federal e aos cortes na educação, e defendendo mais empregos, sem retirada de direitos, milhares de pessoas foram às ruas em praticamente todo o país nesta sexta-feira (14). Em Caxias do Sul, o início das manifestações foi na madrugada, quando sindicalistas foram até o portão principal da Visate com o objetivo de buscar a adesão dos rodoviários ao movimento. Mas, por volta de 5h30, os ônibus saíram da garagem. “Nosso objetivo não era impor nada a força. O que queríamos era que as pessoas refletissem sobre leis que, se aprovadas, serão danosas a todos”, salientou a presidente do Sindicato dos Servidores Municipais, Silvana Piroli.

Mesmo assim, o transporte coletivo acabou sendo impactado. Foram registrados bloqueios em pelo menos três trechos da BR-116, e na Rota do Sol, com queima de pneus. Todos os pontos foram liberados às 9h. Na ERS-122, em frente à Fras-Le, o trânsito ia sendo liberado aos poucos.

Na rede pública de ensino municipal e estadual, pelo menos 86 escolas tiveram as atividades paralisadas total ou parcialmente. Ao longo do dia houve caminhadas pelas ruas centrais da cidade e dois atos na Praça Dante Alighieri. “De forma direta, acreditamos que mobilizamos 5 mil pessoas. Mas o mais importante não é este número em si, mas a mensagem de alerta que levamos à população. Assim, certamente, alcançamos número bem superior”, destacou. Silvana.

 

Impacto mínimo

 

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado, Gilberto Porcello Petry, apenas o setor público e alguns serviços privados, como os bancos, aderiram à paralisação. O levantamento da entidade junto aos sindicatos filiados e associações, centros e câmaras de comércio e indústria do interior do Estado, aponta que ocorreu apenas um atraso no início da produção das fábricas no turno da manhã. 

A entidade recebeu informações de 14 bloqueios de rodovias no interior e quatro na Região Metropolitana, além de alguns piquetes junto a fábricas no polo industrial da Serra. A partir das 8h30, o primeiro turno de produção já havia se normalizado. "Isto prova que a greve não teve a adesão dos trabalhadores do setor privado, sendo mais uma vez um movimento de alguns poucos sindicalistas e de uma minoria de funcionários públicos", disse.