Economia

Atividade produtiva registra alta acumulada de 6,5% em 12 meses

Indicador é melhor do que o registrado no Brasil e no Rio Grande do Sul
03 de outubro de 2019 às 09:23
Foto: Regina Lain, Divulgação

INDICADORES EM %

SETORES

Mês atual/

Mês anterior

Mesmo mês

Ano anterior

Acumulado

Ano

Acumulado

12 meses

Indústria

-1,9

-3,3

2,1

4,6

Comércio

8,2

5,5

15,1

11,0

Serviços

6,1

16,0

9,5

8,4

Agosto

2,2

3,9

6,5

6,8

O desempenho econômico de Caxias do Sul em agosto, na comparação com o mês anterior, cresceu 2,2%. Quando a base é agosto do ano, o incremento é ainda melhor: 3,9%. Com este índice, o acumulado do ano alcança 6,5% e, o de 12 meses, 6,8%. “Pode-se dizer que a média dos resultados de janeiro a agosto é a melhor nos últimos 10 anos”, destacou Joarez Piccinini, do Conselho Temático de Economia e Finanças da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC), durante apresentação dos resultados, juntamente com a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL). “Esta taxa de 6,8% é excepcionalmente elevada, estamos fazendo melhor que o estado e o Brasil”, acrescentou o também diretor Astor Schmitt.

A indústria foi a única ter resultado negativo em agosto sobre igual mês do ano passado e em relação a julho, de 1,9% e 3,3%, respectivamente. O comércio, novamente, apresentou o melhor resultado e o setor de serviços segue avançando. Todos os componentes que formam o Índice de Desempenho da Indústria apuraram recuos em agosto sobre julho. O mais expressivo, de 4,5%, ocorreu nas compras, atribuído a ajuste dos estoques. Sobre agosto do ano passado, o pior resultado foi nas vendas, com 7,9%. No acumulado do ano, o resultado é positivo, 2,1%, e nos 12 meses, 4,6%. “Tudo indica que o pior já passou. Embora os números não sejam elevados, são crescentes e constantes”, frisou Schmitt.

O mercado de trabalho teve o fechamento de 538 vagas, em agosto. O setor industrial contribuiu com 389 empregos; comércio com 104; construção civil, 32; e agropecuária, 28. A atividade de serviços gerou 15 contratos formais. “Neste período de crise, as empresas de Caxias se modernizaram e se readequaram, otimizando serviços e mão de obra. Estão produzindo mais ou o mesmo que antes com menos. Por isso, para recolocar todo trabalhador que perdeu seu emprego ainda vai demorar. No entanto, estão surgindo novas possibilidades de trabalho. E muitas pessoas partindo para o empreendedorismo”, salientou Schmitt.

Mercado externo em queda

Os indicadores de mercado externo mostram que as exportações caíram 1,9% no acumulado de 12 meses. Já as importações cresceram 13,4% no mesmo período. Com isso, o saldo da balança comercial teve desempenho negativo de 14,8% de agosto de 2019 a julho de 2018.

Os principais destinos das exportações caxienses em agosto foram Chile, Estados Unidos, México, Argentina e China. Já as importações tiveram origem da China, Estados Unidos, Itália, Suécia, Alemanha e Índia.

Melhora confiança entre comerciantes

O índice positivo acumulado de 8,15%, em 12 meses, pelo comércio está melhorando a confiança dos empresários do setor. “Quando analisamos estes dados é perceptível que a expansão está se sustentando, criando uma base sólida”, observou o assessor de economia e estatística da CDL, Mosár Leandro Ness. A inadimplência também sinaliza mudanças positivas. O estoque de dívidas em agosto apresentou queda de 1,78%, em linha com o que tinha sido registrado em julho, de 0,22%. No ano, o indicador está negativo 5,67% e, em 12 meses, 13,09%.





Publicidade