Política

Alberto Meneguzzi repercute resposta de sindicância

Manifestação critica suposta retaliação da Secretaria Municipal de Saúde
15 de outubro de 2019 às 16:47
Foto: Gustavo Tamagno Martins

O vereador Alberto Meneguzzi (PSB) repercutiu na sessão plenária desta terça-feira (15) documentos obtidos por meio da Controladoria-Geral do Município (CGM). Eles haviam sido enviados à Secretaria Municipal de Saúde de Caxias do Sul e sugeriam a abertura de uma sindicância para apurar suposto favorecimento a um médico no Centro Especializado em Saúde (CES). O agravante é que o profissional é conjugue da coordenadora da unidade de atendimento e o favorecimento teria ocorrido por meio de horas extras.

Na documentação recebida pelo parlamentar, foi enviada cópia de um e-mail enviado por Lauren Raymundi Moreira, médica, para Nicole Alberti Colin, coordenadora do CES. O teor da mensagem revela pedido de Lauren para ter os pontos originais dela e de mais três médicos, de janeiro a julho de 2019. A intenção seria instruir processo judicial contra os referidos médicos. O documento também traz denúncia de Lauren contra a ex-secretária da Saúde de Caxias do Sul, Dilma Tessari. De acordo com a médica, a contratação de um serviço de interpretação de exames por médicos cardiologistas ligados ao Hospital Geral teria sido irregular.

Na bancada da Câmara, Meneguzzi afirmou que entrou em contato com a Secretaria da Saúde para tentar esclarecer o ocorrido, mas não obteve sucesso. “Eu pedi que fosse feita uma apuração, baseada em informações que eu recebi através do pedido de informações. Mas na Secretaria da Saúde, em vez de explicarem essa situação, eles iniciaram uma caça às bruxas. Quem deu informações ao vereador? A CGM disse que não é prerrogativa deste vereador, mas temos legitimidades para fiscalizar as aplicações dos recursos públicos”, defendeu o socialista.

Além disso, Meneguzzi criticou o fato de Lauren ter dito no e-mail que as informações serviriam para ingressar com uma representação contra o vereador na Comissão de Ética Parlamentar da Câmara Municipal. “Ela quer documentos para processar dois médicos e para ingressar contra mim na Comissão de Ética. Sinceramente, Dra. Lauren, sugiro que peça exoneração do cargo. Não tem competência”, sentenciou Meneguzzi.





Publicidade