Cidades

Agricultura terá prejuízo de quase R$ 4 milhões pela queda de granizo

Forte onda de calor ocasionou uma das maiores precipitações de pedras em Caxias do Sul
16 de abril de 2019 às 13:07
Foto: Foto: Divulgação

Perdas diretas (dados preliminares)

Culturas

Área (ha)

Volume (t)

Perdas (R$)

Caqui

90

805

1.207.500

Kiwi

05

65

162.500

Maçã

15

225

450.000

Plasticultura

35

-

1.925.000

Total

145

1.095

3.745.000

Por cerca de 10 minutos, no entardecer de sábado (13), uma forte chuva de granizo causou diversos prejuízos em Caxias do Sul. Conforme informações da Defesa Civil, na área urbana 523 residências foram afetadas. A maioria com pequenas avarias, principalmente no telhado, as quais receberam telhas e lonas. Os bairros mais afetados foram o Distrito Industrial, Mariani e Reolon, com quase 120 residências atingidas.

Na área rural, segundo o relatório da Emater, que ainda não está concluído, o volume registrado de pedras foi surpreendente. As perdas na produção só não foram mais intensas pelo fato de as principais espécies cultivadas na região atingida ainda não estarem implantadas, como cebola e alho, ou já terem sido colhidas, na maioria, casos que incluem caqui, kiwi, maçã fuji e tomate.

Conforme o relatório, como danos indiretos foram registradas perdas da massa foliar das frutíferas justamente no período de acúmulo de nutrientes para suportar os rigores do inverno e possibilitar o início de brotação e florescimento após essa estação; lesões nos ramos predispondo à incidência de fitopatias e perda de gemas para safra futura. A estimativa de perdas é de quase R$ 4 milhões. Também houve estragos em estradas vicinais e internas das propriedades.

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Rudimar Menegotto, os maiores registros se concentram na 6ª Légua, onde caqui foi o mais afetado. “Os dados são ainda momentâneos. Mas o que se sabe é que alguns produtores tiveram perda parcial. Outro informou que a perda foi quase total, com prejuízo de cerca de 50 toneladas. Mas como ele tem seguro agrícola, vai amenizar o prejuízo”, detalhou.

Mais do que o granizo, segundo Menegotto, o principal agravante foi o vento forte, que fez com que as pedras ganhassem velocidade, machucando as frutas no momento do impacto. “Além do caqui, a maçã fuji pode ter danos. Mas por ela ter a casca mais dura, só saberemos a intensidade do dano daqui a alguns dias. Por enquanto, é difícil quantificar o tamanho do prejuízo. Mas por essa região ser mais produtora de frutas, não tivemos registros significativos de danos em hortaliças, e nem prejuízos estruturais”, informou.

Prefeitura decretará situação de emergência

A Prefeitura decretará situação de emergência em Caxias do Sul após o temporal de granizo que atingiu a cidade no sábado (13). Em reunião nesta segunda-feira (15), diversas secretarias que prestaram atendimento, bem como o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil Região Serra, começaram a compilar dados e a articular a construção do decreto. Apesar de não gerar grandes danos ou pessoas feridas e desabrigadas, o temporal foi abrangente, atingindo diversas áreas diferentes do território caxiense. O documento deverá ser publicado ao longo da semana.

O principal objetivo do decreto é viabilizar a dispensa de licitação para a compra de materiais necessários ao atendimento. A Secretaria da Habitação (SMH) já distribuiu 26,8 mil metros quadrados de lonas e cadastrou 207 pessoas para o recebimento de telhas. A decretação facilitará a reposição desses itens e a distribuição a mais pessoas atingidas, conforme a necessidade. Além disso, apresentando o decreto, será mais fácil o resgate de seguro da produção por parte dos agricultores que tiveram prejuízos.

A maior parte das lonas foi distribuída para moradores dos bairros Charqueadas, Cinquentenário II, Desvio Rizzo, Mariani, Reolon 1º de Maio. As telhas devem ser entregues ainda nesta semana para os moradores, mediante preenchimento de cadastro na SMH, informando os prejuízos e os dados pessoais para posterior vistoria dos funcionários.

Além de destelhar casas, as pedras e o vento forte ocasionaram quedas de árvores e galhos e alagamentos. Até final da tarde desta segunda não havia registro de feridos, óbitos, desabrigados e desalojados. O temporal também atingiu os municípios de Farroupilha, onde cerca de 40 casas tiveram telhados danificados, e em Bento Gonçalves, com 30 casos de danos leves.

De acordo com Luiz Fernando Nachtigall, meteorologista da MetSul Meteorologia, a queda do granizo se deu como decorrência das altas temperaturas registradas nos últimos dias. Embora a precipitação tenha sido volumosa, o tamanho das pedras era pequeno. “Esse fator climático é mais corriqueiro no inverno e na primavera. O ar quente sobre o estado favoreceu chuva com característica de verão. Se formou uma nuvem de tempestade muito forte no Vale do Taquari, que se deslocou para a Serra”, explicou.





Publicidade