Economia

Aeroporto da Serra Gaúcha segue no discurso e no papel

Nova reunião, em Brasília, para destravar o projeto, deve ocorrer em fevereiro
23 de janeiro de 2020 às 17:38

Governador quer definir claramente as responsabilidades de cada ente na construção do aeroporto (Foto Felipe Dalla Valle, Palácio Piratini, Divulgação)

A definição sobre qual ente público assumirá a responsabilidade de pagar as desapropriações, estimadas em R$ 20 milhões, das áreas que formam os 200 hectares do Aeroporto da Serra Gaúcha, foi mais uma vez adiada. No encontro de quinta (23/1), no Palácio Piratini, em Porto Alegre, entre o governador Eduardo Leite e o prefeito de Caxias do Sul, Flavio Cassina, foi acordado que detalhes terão de ser discutidos em uma reunião que também tenha a presença do terceiro interessado, a União. “O governo federal está entusiasmado com a obra e quer realizá-la. O que falta é decidirmos os detalhes. Todos compreendemos a importância da obra para o desenvolvimento do Estado e nosso papel é dar apoio para que possa sair do papel", ponderou o governador, que havia manifestado, anteriormente, que o Estado arcaria com os valores das desapropriações.

Nesta reunião, que será marcada pela Prefeitura de Caxias do Sul, serão ajustadas questões a respeito da responsabilidade que cada um dos entes envolvidos terá na obra. "Nós, como o Estado, temos dúvidas sobre a aplicação destes recursos. Então, vamos nos reunir com a Secretaria de Aviação Civil para ver esta questão do pagamento das desapropriações. O Município tem um termo de compromisso com a União. Também vamos buscar orientações sobre o termo de contrato para licitações do projeto e das obras do aeroporto", informou o secretário da Receita Municipal, Paulo Dahmer. No final do ano passado, a Câmara de Vereadores aprovou projeto apresentado pelo então prefeito Daniel Guerra solicitando autorização para contratar empréstimo de R$ 30 milhões para aplicar nas desapropriações e outras demandas.

O secretário de Parcerias do Estado, Bruno Vanuzzi, acredita que a reunião ocorra nas próximas três semanas. "O projeto tem dimensões regionais e o governo federal vem aportando recursos que são insuficientes para todas as necessidades. Há pressa, porque os recursos têm prazos, e a intenção do governador é participar de modo que não atrase os trabalhos", explicou o secretário. No ano passado, a Secretaria Nacional de Aviação Civil se comprometeu a liberar R$ 193 milhões para o novo aeroporto.

A comitiva de Caxias do Sul ainda teve as presenças do vice-prefeito Elói Frizzo, dos vereadores Ricardo Daneluz, presidente da Câmara, e Paula Ioris; do reitor da Universidade, Evaldo Kuiava; do presidente da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços, Ivanir Gasparin; e de representantes do MobiCaxias. Por parte do Estado, também participaram os secretários Claudio Gastal, de Governança e Gestão Estratégica; e Juvir Costella, de Logística e Transportes.