APARTE

27 de setembro de 2019 às 08:40

Sabatina no Legislativo

 

A expectativa agora é para saber se o prefeito Daniel Guerra irá aceitar o convite dos vereadores Alceu Thomé, Rodrigo Beltrão e Velocino Uez para ser sabatinado pelo plenário da Câmara. Tendo em vista a polêmica que envolve os temas e o direito legal – este termo é o que mais se ouve e escreve no Executivo – de recusar, acredita-se que o prefeito deverá recusar o convite. Não se pode prever qual a justificativa que será utilizada para isso. Dentre elas, podem estar alguma viagem para fora do Município – que já se tornaram tradicionais e constantes neste terceiro ano de governo. Quem sabe, oferece o chefe de gabinete – e irmão - Chico Guerra para ir no lugar dele.

Apesar de não ter nenhuma penalidade, a recusa do convite deverá repercutir na tribuna, na voz da oposição. Talvez as críticas poderiam ser maiores, se comparadas às justificativas sem fundamento para explicar tantos conflitos sociais e institucionais.

Fato é que, para a imprensa, o prefeito tem o hábito de utilizar respostas prontas e frases feitas para causar impacto, sempre na intenção de fugir do foco das perguntas e enrolar os jornalistas. Talvez cara a cara com os vereadores, a estratégia não funcione.

 

127 ANOS DE HISTÓRIA

 

O presidente da Câmara de Vereadores, Flavio Cassina/PTB, vestiu terno e subiu à tribuna, na sessão de ontem, para exaltar os 127 anos do parlamento, completados nesta quinta (26). Ele falou da história do Legislativo caxiense e convidou a população para os eventos alusivos à data.

“Importante é o entrosamento entre os poderes, que não se encontram dentro de uma relação de independência absoluta, nem de subserviência; mas de interdependência e complementariedade. Estejamos acima dos interesses partidários. Estamos cumprindo nosso dever com obstinação, sem olhar obstáculos”, afirmou o chefe do Poder Legislativo.

 

PASSARAM VERGONHA

 

Assim disse o vereador Rafael Bueno/PDT, com relação à cobrança que a bancada gaúcha no Congresso Nacional, fez a ele e ao vereador Adiló Didomenico/PTB, pela presença do prefeito Daniel Guerra no parlamento nacional, em busca de verbas para Caxias do Sul. "Nós passamos vergonha. Dos 30 deputados com os quais conversamos todos diziam assim, abertamente, 'o prefeito que vocês têm, que nada faz e está destruindo a cidade'. Até mesmo os senadores Paulo Paim, Luiz Carlos Heinze e Lasier Martins disseram”, revelou o pedetista.

 

MANIFESTO

 

O senador Lasier Martins participa, amanhã (28), do lançamento do movimento "Juntos Podemos Mudar Caxias do Sul". O evento político ocorre às 9h, na Câmara de Vereadores. Também será apresentada a nova comissão provisória da sigla. O presidente estadual, deputado Rodrigo Maroni, também virá a Caxias para o evento. O manifesto contém os princípios, posicionamentos e as bases do plano de governo para as eleições municipais de 2020.

O Podemos é presidido pela deputada federal Renata Bueno e tem, entre as lideranças, o senador Álvaro Dias, que foi candidato à Presidência da República, no ano passado.  O partido também possui a segunda maior bancada no Senado. Com a incorporação do PHS, aumentou a bancada na Câmara, de 11 para 18 deputados.

 

PETROBRAS

 

A Comissão de Finanças da Assembleia Legislativa aprovou uma demanda da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobras, presidida pelo deputado Pepe Vargas/PT. Será realizada uma audiência pública conjunta, com o objetivo de debater as implicações econômicas e sociais da possível venda da refinaria Alberto Pasqualini e da alienação de outros bens da Petrobras presentes no Rio Grande do Sul. “Independente de ideologias políticas, os deputados se uniram em defesa de um patrimônio dos gaúchos que é lucrativo. O governador precisa defender nossa refinaria e impedir que a privatização aconteça em nome dos empregos e do desenvolvimento de nosso Estado”, destacou Pepe.