APARTE

12 de agosto de 2019 às 08:40

Moral e Cívica, já na prática

O Executivo de Caxias do Sul usou a calada das férias para chamar sete diretores de escolas municipais e oferecer uma ajuda para melhorar a disciplina dos estudantes, propondo a colocação de um policial aposentado no interior dos estabelecimentos. Preocupados com as possíveis consequências negativas no ambiente escolar, eles declinaram da colaboração, como revelou a presidente do Conselho Municipal de Educação, Glaucia Helena Gomes. A intenção do governo vem ao encontro de uma declaração do presidente da República em exercício, Hamilton Mourão, no dia 29 de junho, em Curitiba. Ele afirmou que o Ministério da Educação avalia a volta da disciplina de Educação Moral e Cívica aos currículos escolares. "Isso não é uma coisa da direita nem da esquerda. Isso é educação", justificou.

 

PROMULGADO

Com mais um silêncio do prefeito Daniel Guerra/Republicanos, o presidente do Legislativo de Caxias, vereador Flavio Cassina/PTB, teve que cumprir a obrigação constitucional de promulgar a lei que obriga a publicação dos atos relativos aos servidores públicos do Executivo e administração indireta, no Diário Oficial Eletrônico. O ato ocorreu nesta sexta-feira (9). A matéria é de autoria do vereador Alberto Meneguzzi/PSB. Conforme a nova legislação, os atos somente terão validade se publicados na imprensa oficial do Município.

O projeto foi aprovado pelo plenário no dia 13 de junho, mas vetado pelo Executivo, que alegou vício de iniciativa e geração de despesa. As alegações não convenceram os vereadores, que derrubaram o veto no dia 1º de agosto. A lei entra em vigor na segunda-feira (12), mas o Executivo ainda poderá entrar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, no Tribunal de Justiça do Estado.

 

REPROVADOS

Um fato chama a atenção no resultado preliminar do concurso da Prefeitura de Caxias. Na lista dos candidatos para o cargo de Operador de Máquinas, consta que Daniel Antonio Guerra foi reprovado na prova objetiva. Trata-se de um homônimo do chefe do Executivo. Para este cargo, também chama a atenção o número de candidatos reprovados: 102. Conforme a lista de classificação, 28 deixaram de fazer a prova e apenas 14 foram aprovados para as duas vagas imediatas, previstas no edital do processo seletivo.

 

DEU CERTO

Ainda sobre o resultado preliminar do concurso da Prefeitura de Caxias, a aprovação da secretária de Turismo, Renata Carraro, vem ao encontro dos 15 dias de férias que ela tirou, em julho, para estudar para a prova. Na época, quem assumiu o cargo, interinamente, foi a secretária do gabinete do prefeito – a ex-cunhada dele, Patrícia Ferreira. A atuação no cargo deu tão certo que, agora, ela foi nomeada como secretária interina de Urbanismo, nas férias de Mirangela Rossi.

 

CLÁUSULA DE BARREIRA

Esta semana, o ex-candidato a prefeito de Caxias do sul, em 2016, Vitor Hugo Gomes, se desfiliou da Rede Sustentabilidade. A decisão foi comunicada ao dirigente municipal do partido, Antíoco Sartor, na quarta-feira (7). “Acredito que a Rede é um bom partido e que suas ideias são muito importantes. Neste momento, pretendo procurar uma agremiação que tenha maior possibilidade de fazer o enfrentamento político, já que a Rede ficou com grandes dificuldades de organização e eleitoral, porque não atingiu o mínimo para superar a cláusula de barreira”, justificou Vitor Hugo, que não deixou transparecer se mantém alguma aproximação com outra sigla.Também não deu a entender se irá se candidatar a algum cargo eletivo, no ano que vem.