Fernando Santos

APARTE

07 de agosto de 2019 às 08:40
Foto: BANCO DE DADOS

Defende, mas não defende

Também adotando uma estratégia – assim como ele disse da oposição – o líder de governo, vereador Renato Nunes/PR, se inscreveu para a última declaração no Pequeno Expediente da sessão da Câmara de ontem. Com a certeza que não poderia ser replicado, o parlamentar defendeu o Executivo nas críticas sobre a falta de iluminação no Parque dos Macaquinhos, que, de acordo com ele, faz parte de um processo em andamento. Entretanto, Nunes nada falou em relação a avalanche de críticas sobre a presença de Chico Guerra na comitiva do prefeito Daniel Guerra. Muito menos, tentou justificar a tentativa de captação de quase R$ 700 mil para construir o mirante nos Macaquinhos e, nem sequer, defendeu a participação da secretária interina de Urbanismo, Patrícia Ferreira, na delegação. O natural seria uma defesa por completo.

 

TACÃO DA LEI

Na tribuna da Câmara, ontem, o vereador Rodrigo Beltrão/PT confirmou o que havia declarado à FOLHA DE CAXIAS. Ele revelou, em plenário, que vai encaminhar uma emenda à lei municipal que institui a prestação de contas das viagens do prefeito, vice-prefeito, secretários e diretores/presidentes de autarquias ao Legislativo. Norma que, segundo ele, é descumprida pela atual gestão. “Infelizmente, para esse governo é só debaixo do tacão da lei, da judicialização, da convocação, porque tem um verdadeiro desprezo por esta Casa e, ao desprezar esta Casa, despreza a comunidade e as cidades da região. Esse governo, sim, precisa ser chamado a atenção e, muitas vezes, até denunciado, porque no caso dessas viagens fica bastante evidenciada a dissintonia com a cidade”.

 

SE A MODA PEGA EM CAXIAS

O Legislativo de Porto Alegre aprovou, nesta segunda-feira (5), o projeto de lei que institui o chamado Orçamento Impositivo. De autoria do vereador Cássio Trogildo/PTB, a matéria estabelece regras sobre a execução orçamentária e financeira de emendas individuais de vereadores na Lei Orçamentária Anual (LOA). Conforme o projeto, o Executivo fica obrigado a realizar os investimentos previstos pelas emendas parlamentares, a exemplo do que já ocorre na Câmara dos Deputados. As emendas de vereadores à LOA serão aprovadas até o limite de 0,65% da receita corrente líquida do projeto encaminhado pela gestão municipal. A metade desse percentual será destinada a ações de serviços públicos de saúde. As emendas impositivas deverão ter frações igualitárias entre os parlamentares.

 

GUARDAS SOB SINDICÂNCIA

O grupo de guardas municipais, que teria invadido o gabinete do prefeito Daniel Guerra, no dia 2 de maio, para pedir explicações sobre a nomeação de um CC para um cargo que, segundo eles, exige formação na categoria, está sob sindicância. O processo foi aberto pela Corregedoria-Geral do Município a pedido do próprio pivô do protesto dos servidores: o diretor executivo da Secretaria Municipal de Segurança Pública, Paulo Siqueira.

 

CIDADÃO CAXIENSE

O plenário da Câmara de Vereadores de Caxias, aprovou, ontem, por unanimidade, o projeto de decreto legislativo que concede o título de Cidadão Caxiense para o advogado Lauri Romário Silva. A proposição é de autoria dos vereadores Gladis Frizzo, Felipe Gremelmaier e Paulo Périco/MDB; Adiló Didomenico e Alceu Thomé/PTB; Rafael Bueno/PDT, Ricardo Daneluz e Velocino Uez/PDT; Renato Oliveira/PCdoB, Arlindo Bandeira/PP, Paula Ioris/PSDB e Tatiane Frizzo/SD. Lauri foi o advogado do então vice-prefeito Ricardo Fabris, no processo de despejo do gabinete no Centro Administrativo, em março de 2017. A defesa dele foi acatada pela Justiça, permitindo que, no dia 7 de abril, com habeas corpus em mãos, Fabris retornasse à prefeitura para retomar a posse do gabinete.