APARTE

25 de julho de 2019 às 08:40

Volta de Fabris gera especulações

O retorno do ex-vice-prefeito Ricardo Fabris de Abreu ao cenário político de Caxias do Sul já altera o quadro das eleições municipais do ano que vem. Isso porque Fabris, que era filiado ao Avante, é o novo vice-presidente estadual do novo Patriota (ex-PEN), que tem como líder, Rubens Rebés (ex-PHS). A mudança de sigla de Fabris já começou a gerar expectativa de mudança na composição inicial das chapas majoritárias à Prefeitura de Caxias do Sul. Rebés e a direção do partido indicaram o nome dele como pré-candidato ao Executivo. “Ainda é muito cedo para decidir. Entretanto, a cúpula do partido acredita que meu nome representa uma forte oposição à candidatura à reeleição de Daniel Guerra”, salientou.

 

DESCONFORTÁVEL I

O ingresso de Ricardo Fabris no Patriota coloca-o na sigla comandada, em nível municipal, por João Dreher – atual assessor da bancada do PR. O cargo se deve à coligação que elegeu Daniel Guerra, em 2016. Contudo, a forte possibilidade de o Patriota ter candidato próprio, no ano que vem, retira o partido do mesmo palanque de Republicanos e do PR. Desta forma, Dreher ficaria sujeito à exoneração do atual cargo ou mudar de partido e assinar ficha no PR para poder apoiar a reeleição do atual prefeito.

 

DESCONFORTÁVEL II

Quem também ficou em situação desconfortável desde a terça-feira (23) foi o Progressistas de Caxias. O motivo foi o posicionamento do vereador Arlindo Bandeira, que votou coeso com a bancada governista pelo arquivamento da denúncia de quebra de decoro parlamentar contra o vereador licenciado e atual chefe de Gabinete da Prefeitura, Chico Guerra. Em momento seguinte, Bandeira voltou a apoiar a situação, quando se retirou do plenário na hora da votação da suspensão de 60 dias do denunciado, juntamente com Renato Nunes e Elisandro Fiuza.

A decisão do parlamentar progressista pode comprometer alinhavos que vêm sendo feitos com outros partidos às próximas eleições municipais. Na noite anterior, a Executiva havia recebido a direção municipal do PSD (foto). O presidente Kiko Girardi e integrantes da sigla foram conversar com o líder progressista, Ricardo Golin, sobre a possibilidade de uma coligação. Há cerca de duas semanas, quem esteve no reduto progressista foi a direção do PTB, que convidou o partido para compor um plano de governo para 2020, em torno do nome do vereador Adiló Didomenico como candidato principal.

 

TRANSPARÊNCIA

Este é o objetivo de um projeto de lei que o vereador Velocino Uez/PDT protocolou no Legislativo. A intenção é obrigar o Executivo a publicar, trimestralmente, a relação de obras, procedimentos e atividades realizadas pelas subprefeituras. Na sessão de ontem (24), Velocino disse que a matéria visa ampliar a comunicação entre a administração e a população a partir da publicidade e maior transparência na divulgação de obras e serviços. “O povo nos cobra. Eu, como subprefeito de Galópolis, tinha uma retroescavadeira velha, mas, mesmo assim, fiz 172 bueiros. Está lá registrado no meu trabalho. Se eu não tivesse feito um bom trabalho não estaria aqui, com certeza, não foi divulgado, ajuda também isso. Mas a população sabe”, justificou.

 

PEDIDOS DE INFORMAÇÃO

O plenário da Câmara de Vereadores de Caxias vota na sessão de hoje (25) mais dois pedidos de informações ao Executivo. O primeiro deles é de autoria coletiva e questiona sobre a captação de recursos federais pelo Município, as chamadas emendas parlamentares. Os vereadores também apreciarão requerimento de Alberto Meneguzzi/PSB, com pedido de informações sobre o processo de apropriação do antigo prédio do INSS, localizado na Rua Pinheiro Machado, Bairro Cinquentenário. A situação do local veio à tona, esta semana, no Legislativo, depois de um crime ocorrido no fim de semana, quando uma jovem de 18 anos foi morta e teve o corpo carbonizado.