Fernando Santos

APARTE

17 de julho de 2019 às 08:40
Foto: Divulgação

Fora da realidade de Caxias

Ao comentar a decisão judicial que concedeu liminar ao mandado de segurança impetrado pelo Legislativo, a fim de proibir a Prefeitura de Caxias de demolir as bancas de revistas e jornais da cidade, o vereador Rafael Bueno/PDT criticou a postura da procuradora-geral do Município, Cássia Kuhn com relação ao caso. O pedetista também lamentou que ela tivesse declarado a um veículo de mídia de Caxias que os autores (Bueno, Eloi Frizzo e Paulo Périco) tem receio quanto à aprovação da matéria. “Uma fala muito infeliz ela dizer que os vereadores não colocaram em pauta a votação por receio de que não fosse aprovado pela maioria. Eu não vou nem falar o que penso dessa procuradora, porque acho que ela está em outro mundo. Ela vive em outra realidade que não é dela. Ela veio por indicação do PRB, sentou na cadeira e assina sem ler as coisas. Falou uma bobagem”, definiu.

 

VAI SE INFORMAR!

A declaração de Rafael Bueno motivou pedido de aparte pelo relator do projeto na Comissão de Constituição, Justiça e Legislação (CCJL), vereador Felipe Gremelmaier/MDB. Conforme ele, Cássia Kuhn poderia ter se assessorado dentro da própria bancada de situação na Câmara. “Daria uma dica para ela, a bancada do PR tem um advogado tão competente, que conhece tanto o processo administrativo que poderia ter sido consultado, o Dr. Paulo Lima. Se o governo respeitasse mesmo os seus vereadores na Casa poderia ter consultado um assessor que tem experiência legislativa há muito tempo e saber como funciona a tramitação”, indicou.

 

QUEM NÃO TEM DEPUTADO, CAÇA COM O ALHEIO

De uma viagem de Rafael Bueno à bancada gaúcha na Câmara dos Deputados, em Brasília, virão R$ 500 mil para os hospitais Geral e Virvi Ramos. A notícia foi divulgada, ontem (16), quando o pedetista recebeu confirmação do autor das emendas parlamentares, Nereu Crispim/PSL. Porém, os valores somente serão liberados depois de o Município confirmar o aceite ao Ministério da Saúde. A estratégia de Bueno foi mesmo articular recursos para Caxias do Sul com deputados eleitos por outras regiões do estado. Isso porque Caxias não elegeu nenhum candidato a deputado federal, em 2018. Nereu Crispim não consta nem na lista dos 10 candidatos de fora mais votados em Caxias, em outubro do ano passado. Marcel Van Hatten (Novo), por exemplo, levou 17.532 votos daqui, mas até agora nem sinal de fumaça para os lados da Serra. Outro bem votado foi o considerado “Amigo de Caxias” pelo prefeito e correligionário Daniel Guerra – o deputado federal Carlos Gomes/Republicanos. Até o momento não se tem notícia de nenhum retorno financeiro dos 4.151 votos que faturou no Município, na última eleição.

 

RECESSO PARLAMENTAR

A Assembleia Legislativa do Estado entrou em recesso parlamentar, nesta terça-feira (16), após os deputados aprovarem as cinco matérias que constavam na pauta de votações. Também passaram quatro proposições parlamentares e foi aprovada a contratação temporária de 45 servidores e a renovação de outros três contratos temporários no Daer. Uma emenda do deputado estadual Pepe Vargas/PT foi apresentada ao projeto, estabelecendo o prazo de 12 meses para realização de concurso público a fim de suprir as vagas desse contrato temporário. Apesar de o petista defender a aprovação dela, a emenda não chegou a ser votada. Isso porque, por 29 votos a 10, foi aprovado requerimento do líder do governo, Frederico Antunes/PP, pedindo a preferência de votação para o texto original. Na tribuna, Antunes lembrou que, em 2013 e 2016, nos governos Tarso Genro/PT e José Ivo Sartori/MDB, respectivamente, a Assembleia Legislativa aprovou, por unanimidade, matérias de igual teor sem que houvesse solicitação de emenda para a realização de concurso público.