Fernando Santos

APARTE

11 de julho de 2019 às 08:40
Foto: Gabriela Bento Alves, Divulgação

Robin Hood às avessas

O vereador Eloi Frizzo/PSB foi à tribuna da Câmara, ontem (10), para criticar a reforma da Previdência, proposta pelo presidente Jair Bolsonaro/PSL. O partido dele se declarou de oposição desde o início do governo e fechou questão contra o projeto. Frizzo também criticou a reforma trabalhista, promovida no governo de Michel Temer/MDB. Segundo ele, os números do desemprego em Caxias, por exemplo, de 15 mil pessoas fora do mercado de trabalho, demonstram que o objetivo desta reforma não foi atingido. “O Brasil vai melhorar quando voltar a crescer economicamente, quando se fizer efetivamente uma grande auditoria nessa tal de dívida pública, que consome 45%, hoje, do orçamento nacional. Vão ser só para pagar juros para banqueiros: Itaú, Bradesco, Citibank e companhia, esses se apropriaram da renda nacional”, afirmou.

Frizzo também criticou a política econômica dos governos anteriores, que segundo ele, favoreceu os grandes capitais. Analisando as palavras do parlamentar, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva/PT, seria como um Robin Hood às avessas, tendo em vista o endividamento, principalmente da classe média, com os operadores de crédito. “O sistema financeiro brasileiro concentra todo o poder e concentrou, não só nesse governo, mas também nos anteriores. Aliás, o grande erro do Lula foi ter feito essa conciliação com o sistema financeiro, onde os bancos, no período do seu governo, foi o que mais ganhou, mais, inclusive, que nos outros governos. É um absurdo seis famílias no Brasil concentrarem 50% da riqueza nacional”, analisou.

 

VAI FALAR COM SUBALTERNO

Mais uma vez, o Executivo de Caxias do Sul demonstrou que quebra todas as relações institucionais que o poder público deve ter com a sociedade. No caso, com as lideranças comunitárias. Por meio da mesma nota que mandou dizer que tinha processado a UAB, o atual governo informa que respondeu ao pedido de audiência para a apresentação da nova diretoria da entidade. Segundo a assessoria da Prefeitura, o prefeito Daniel Guerra manda dizer que “assuntos de interesse da UAB, das lideranças comunitárias e associações de moradores de bairros deverão ser tratados junto à Coordenadoria de Relações Comunitárias, cujo horário de atendimento ao público é das 10h às 16h (pessoalmente) e das 8h às 17h (por telefone), de segunda a sexta-feira”.

 

SAIU A TRIMESTRALIDADE

Servidores públicos municipais de Caxias do Sul receberão, na folha de pagamento de julho, aumento de 1,39%, referente à trimestralidade abril,maio e junho. Segundo a presidente do Sindiserv, Silvana Piroli, o repasse é uma conquista importante dos servidores, em 1993, sempre presente nas pautas das campanhas salariais. Desde 2017, o Sindiserv pede aumento real para o funcionalismo público, mas até agora nenhum centavo foi concedido pelo Executivo. Na campanha eleitoral, em 2016, Daniel Guerra já afirmava que não daria nenhum reajuste à categoria, a não ser a trimestralidade. Enganou-se quem quis.

 

GASTO SEM JUSTIFICATIVA

Assim caracterizou, na sessão de ontem (9), o presidente da Comissão de Educação do Legislativo de Caxias, vereador Edson da Rosa/MDB, o fato de a Secretaria Municipal de Educação utilizar mais de R$ 30 mil para adaptar um prédio, em Galópolis, para realocar os estudantes da Escola Municipal Arlinda Lauer Manfro. Em aparte ao vereador Velocino Uez/PDT, disse que “o pior de tudo é que a secretária não escuta a comunidade, que se coloca à disposição total para conseguir um espaço, seja no salão paroquial, seja nas salas, enquanto se faz essa mudança. Mais do que isso, na parte da legislação, fechar uma escola do campo não é assim. Precisa ter uma justificativa muito grande. Não há uma justificativa plausível para que isso esteja acontecendo”, afirmou o vereador.