APARTE

03 de julho de 2019 às 08:40
Foto: Gabriela Bento Alves, Divulgação

SINAL DE PERIGO

 

Com apito nas mãos, na tribuna da Câmara, as vereadoras Denise Pessôa/PT, Gladis Frizzo/MDB, Paula Ioris/PSDB e Tatiane Frizzo/SD lançaram, ontem, a campanha “Nossas Vidas Importam”. A realização é da Procuradoria Especial da Mulher do Legislativo. Elas usaram os artefatos para simbolizar o pedido de socorro das mulheres em situação de violência. Segundo a procuradora, Denise, uma forma de conscientizar a comunidade sobre o machismo e combater à violência contra as mulheres. Serão várias atividades até esta sexta-feira (5). Hoje, às 8h15, elas promovem o “Apitaço/Grito de Socorro Por Elas”, em frente ao Legislativo, seguido da interpretação da música Maria Maria, pela cantora caxiense Tita Sachet. Logo depois, em plenário, as parlamentares lançam a cartilha “Por elas”, contendo as leis que amparam as mulheres.

 

AS LUMINÁRIAS DO PALÁCIO

 

O vereador Rafael Bueno/PDT foi à tribuna da Câmara, nesta terça-feira, para repercutir reportagem veiculada na mídia local sobre a precariedade da estrutura do Canil Municipal, de São Virgílio. O pedetista confirmou a situação, por meio de imagens e vídeo. Ele ressuscitou a sessão Remember da campanha de 2016, mostrando um vídeo onde o então candidato a prefeito, Daniel Guerra, aparece com a esposa, Andreia, e promete atenção especial aos animais abandonados. Em comparação, Bueno revelou que o gabinete do prefeito licitou uma reforma no local. “R$ 50 mil é o valor do projeto de reforma do cafofo do império. Não sei como é que a gente diz, se é gabinete, porque cada um se caracteriza da forma que quer. Seria interessante o prefeito sair do seu gabinete e conhecer a realidade dos bairros de Caxias ou, simplesmente, do Canil Municipal. Está gastando esse dinheiro para colocar lâmpadas de LED, enquanto o Parque dos Macaquinhos está sem luminárias desde abril. Fica o repúdio às mentiras do prefeito Daniel Guerra”, ressaltou.

 

Na rua, só os amigos do Rei

 

Assim concluiu o vereador Eloi Frizzo/PSB sobre o veto do prefeito Daniel Guerra ao projeto de lei da bancada do PSB, que regulamenta a apresentação de artistas em via pública. “Se o prefeito autorizar e for do agrado dele, a pessoa vai poder ocupar um espaço na Praça Dante, vai poder fechar a Dr. Montaury, vai poder ocupar o espaço da Maesa para a realização de um evento. Agora se o Reizinho não gostar, não pode e pronto. Veja-se no que foi transformada a Praça do Trem. Virou um abandono total, não por falta de iniciativas, de ocupação de espaços culturais da cidade, mas pela simples ação de parte do Executivo de impedir que essas manifestações ocorram”, avaliou.

 

NÃO FOI

 

O prefeito Daniel Guerra foi criticado pela oposição, na sessão de ontem (2), por não comparecer à audiência pública da Assembleia Legislativa sobre a situação das rodovias estaduais da região. Entre os críticos, o vereador Felipe Gremelmaier/MDB. “Tínhamos aqui quatro prefeitos e cinco deputados, a Amesne, as mais variadas lideranças. Somente um que não deu relevância que a audiência merecia que era o prefeito de Caxias. Não participou, não foi cobrar nada, não tem interesse em resolver nada. Caxias do Sul se isolar não vai adiantar em nada”, disse Gremelmaier.

 

SERÁ QUE VAI?

 

A pergunta que ficou no ar, depois do pronunciamento de Felipe Gremelmaier é se o prefeito Daniel Guerra irá ao Congresso de Municípios da Famurs, que começa hoje, em Bento Gonçalves, cidade administrada pelo presidente da Amesne, Guilherme Pasin/PP. Como já é de praxe do atual governo, também poderá enviar representante. Quem sabe, para escapar do constrangimento criado, no último fim de semana, durante uma reunião da cúpula progressista de Caxias com Pasin, onde ele foi convidado a mudar o domicílio eleitoral para ser candidato a prefeito do Município.