Política

UPA ZONA NORTE: Oliveira critica a quarteirização

O presidente da Comissão de Saúde e Meio Ambiente, vereador Renato Oliveira/PCdoB, repercutiu o relatório da vistoria técnica realizada pela fiscalização do
22 de março de 2019

O presidente da Comissão de Saúde e Meio Ambiente, vereador Renato Oliveira/PCdoB, repercutiu o relatório da vistoria técnica realizada pela fiscalização do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), na UPA Zona Norte, no dia 8 de março. O documento foi divulgado nesta quarta-feira (20) e aponta várias irregularidades no pronto atendimento, administrado pelo Instituto de Gestão e Humanização (IGH) sob o regime de terceirização, ou gestão compartilhada com o Município como denomina a Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

O documento será analisado, oficialmente, na terça-feira (26), na reunião ordinária do grupo de trabalho. Para Oliveira, o relatório demonstra a real situação da UPA Zona Norte. Ele salienta que o documento revela o que o governo municipal disfarça desde a abertura da unidade de pronto atendimento. “O prefeito Daniel Guerra dizia que a UPA estava bem administrada. Mas agora se vê que não é bem assim. O Cremers não pode interditar a UPA, mas pode impedir que profissionais não habilitados trabalhem lá”, afirmou.

QUARTEIRIZAÇÃO?

Renato Oliveira disse que a subcontratação de empresas para operar a UPA Zona Norte por parte do IGH se constitui em quarteirização do serviço público. A conclusão se deve ao fato de que o Executivo terceirizou a UPA para o Instituto, que repassou as atividades para outras pessoas jurídicas.

O vereador se diz preocupado com a possibilidade de ocorrer o mesmo com a nova UPA Central, que será implantada em substituição ao antigo Postão 24 Horas. “Se achávamos ruim a terceirização, imagina a quarteirização. Este é o futuro que está por vir na nova UPA 3. É isso que espera os munícipes. Temos que dizer que falavam que éramos nós, vereadores, que eram contra essa empresa. Agora, ficou provado que não. Esse relatório deve servir de alerta a essa administração para consertar as irregularidades. Prazo eles têm bastante, só que não tem demonstrado boa vontade”, avaliou.