Economia

Supermercados gaúchos cresceram 5,2% em 2018

Ranking Agas mostra que resultado ficou acima do esperado e superior à média nacional
17 de abril de 2019 às 12:40
Foto: Foto: BD

Cada vez mais focados em encontrar soluções para que os consumidores visitem e permaneçam mais tempo no interior de suas lojas, os supermercados gaúchos registraram crescimento nominal de 5,2% no ano passado. Este é um dos resultados apurados pelo Ranking Agas 2018 e apresentados nesta terça-feira (16) pelo presidente da Associação Gaúcha de Supermercados, Antônio Cesa Longo.

O estudo, realizado pela entidade desde 1991, coletou nesta edição dados de 245 empresas supermercadistas gaúchas oriundas de 114 municípios. Apurou que, ao todo, as lojas do setor somaram faturamento de R$ 31,7 bilhões em 2018, com 4,7 mil lojas e 99,8 mil empregos diretos em suas operações. Os principais destaques da pesquisa serão homenageados no dia 23 de abril, no Grêmio Náutico União, em Porto Alegre, em solenidade que marcará ainda a entrega das três primeiras Medalhas Marcello Zaffari, honraria criada pela Agas para distinguir o trabalho de empresários supermercadistas admirados pelos colegas do setor.

O segmento supermercadista recebe, diariamente, 4 milhões de clientes em suas lojas somente no Rio Grande do Sul. Para o presidente da Agas, a essencialidade do setor, a praticidade e a conveniência oferecidas e as estratégias de redução de custos e de aproximação com os consumidores foram alguns dos principais fatores que pesaram para um resultado acima das expectativas.

Deflacionado pelo índice oficial do IPCA/IBGE, o crescimento real para o setor foi de 1,5%. “No atual cenário, costumamos dizer que a tendência é não ter tendência, já que o varejista precisa criar atrativos diariamente para o consumidor e esperar sua resposta para entender o que este cliente necessita. O setor supermercadista é um grande jogo de xadrez”, exemplifica Longo.

Os números positivos de 2018 resultaram em um crescimento da participação do setor supermercadista no PIB do Estado, estimado em R$ 410 bilhões. A representatividade subiu meio ponto, de 7,2% em 2017 para 7,7%. A força do setor gaúcho também aumentou nas vendas nacionais da atividade: de 8,5% passou para 8,9%. Segundo a Associação Brasileira de Supermercados, o segmento possui 89,6 mil lojas no país, com 1,8 milhão de empregos diretos e faturamento de R$ 355,7 bilhões, crescimento nominal de 0,7% no ano passado.

Características do setor

-11.616 itens é o número médio do mix de produtos de um supermercado no RS (14.077 em 2017)

- 8,5% é o custo médio da folha de pagamento dos colaboradores sobre o faturamento das empresas supermercadistas (8,6% em 2017)

- 32,2% dos supermercados gaúchos oferecem recargas de celular aos seus clientes (39% em 2017)

- 16,3% dos supermercados dispõem de serviços bancários e pagamentos de contas (22% em 2017)

- 15,9% operam com restaurantes ou lanchonetes nas lojas (15% em 2017)

- 8,5% faturam com o aluguel de sublojas na entrada dos mercados (9% em 2017)

- 34,2% têm frota própria de caminhões (37% em 2017)

- 31,4% possuem centro de distribuição próprio (20% em 2017)

Desempenho das centrais é superior à média do setor

As centrais de negócios, empresas que congregam pequenos e médios supermercados sob uma mesma bandeira para realizar compras em conjunto e barganhar melhores preços, taxas e condições junto aos fornecedores, apresentaram resultado ainda superior à média do setor, em 2018. Os supermercados vinculados a estas redes de negócio cresceram nominalmente, em média, 6,8%. Ao todo, as 13 maiores centrais de negócios do estado somaram faturamento de R$ 4,7 bilhões, representando 14,8% do faturamento total do setor. A maior central de negócios do estado é a Rede Super, de Santa Maria, com vendas de R$ 1,2 bilhão.

Investimentos programados para o ano já superam R$ 200 milhões

Um dos dados positivos trazidos pelo Ranking Agas 2018 mostra que os supermercadistas gaúchos estão com maior previsão de investimentos em novas lojas do que no ano passado. Segundo os dados apurados, 32,7% dos empresários do segmento ouvidos pretendem investir em reformas (eram 25% no ano passado); outros 12,2% abrirão novas unidades (11% na pesquisa anterior). Somados, os investimentos já informados são de R$ 149,9 milhões em novas lojas, totalizando 36 novos supermercados pré-anunciados pelos entrevistados, e de R$ 63,3 milhões em reformas de unidades já existentes.

Aumenta presença de homens nos quadros

As mulheres seguem sendo maioria no número de empregados do setor supermercadista, respondendo por 50,2%. O índice, no entanto, caiu três pontos em relação a 2017. O ranking mostra que 58,1% (57,2% em 2017) dos colaboradores do setor têm ensino médio; 32,8% (35,1% em 2017) o ensino fundamental; e 9,1% (7,7% em 2017) o superior. “É um setor que valoriza muito a capacitação técnica e, por isso, a Agas treina mais de 6 mil pessoas por ano em áreas operacionais, técnicas e de gestão”, explica Longo. Com relação às faixas etárias predominantes no setor, em média, 8,3% dos colaboradores nos supermercados gaúchos têm até 18 anos; 59,4% têm de 18 a 40 anos; 29,8% entre 40 e 60 anos; e 2,4% dos profissionais têm mais de 60 anos.

Solenidade festiva reunirá mais de 650 participantes

Consolidado como o grande evento de premiação aos supermercados que mais se destacaram no estado, o Ranking Agas 2018 reunirá mais de 650 supermercadistas, fornecedores, entidades de classe, autoridades e imprensa no salão nobre do Grêmio Náutico União, em Porto Alegre, a partir das 20h de terça (23). A intenção, assim como nas últimas 10 edições do prêmio, é reconhecer o trabalho das empresas que mais cresceram no setor, distinguindo-as em 10 diferentes categorias – o critério desta divisão são as faixas de faturamento.

Além das 10 premiações aos supermercados que mais cresceram, a associação homenageará outras quatro empresas: a maior em faturamento, a maior empregadora, a maior central de negócios e a rede de compras que mais cresceu. A grande novidade desta edição é a Medalha Marcello Zaffari, criada pela Agas para distinguir os líderes supermercadistas que melhor personificam a força de trabalho do varejo, o engajamento social com a comunidade e o bom relacionamento com os fornecedores.

Agraciados

Até R$ 3,6 milhões: Silvio André Zerbielli ME (Porto Alegre)

De R$ 3,6 a R$ 6 milhões: Super da Casa (Porto Alegre)

De R$ 6 a R$ 12 milhões: Correa Supermercado (Gravataí)

De R$ 12 a R$ 24 milhões: Supermercado Brombatti (Gramado)

De R$ 24 a R$ 60 milhões: Super Novo Comércio de Alimentos (Capão da Canoa)

De R$ 60 milhões a R$ 120 milhões: Supermercado Codebal (Eldorado do Sul)

De R$ 120 a R$ 240 milhões: Supermercado Beltrame (Santa Maria)

De R$ 240 a 480 milhões: Supermercado Baklizi (Uruguaiana)

De R$ 480 a R$ 960 milhões: Comercial Zaffari (Passo Fundo)

Acima de R$ 960 milhões: Unidasul Distribuidora Alimentícia (Esteio)

Maior faturamento: Cia. Zaffari Comércio e Indústria (Porto Alegre)

Maior empregador: WMS Supermercados do Brasil (Porto Alegre)

Maior crescimento rede de compras: Rede Fort (Novo Hamburgo)

Maior faturamento rede de compras: Rede Super (Santa Maria)

Medalha Marcello Zaffari

Região Metropolitana: Jacy Pfitscher (Porto Alegre)

Interior: Antônio Alberto Righi (Sant`Ana do Livramento)

Nacional: Zefiro Giassi (Içara/SC)