Política

Sartori é lançado para presidente nacional do MDB

O nome do ex-governador José Ivo Sartori à presidência nacional do MDB foi lançado pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra, durante a convenção estadual do
09 de abril de 2019

O nome do ex-governador José Ivo Sartori à presidência nacional do MDB foi lançado pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra, durante a convenção estadual do MDB. O evento ocorreu em Porto Alegre, no fim de semana, com a participação de mais de 600 filiados. Também estiveram presentes líderes de outros partidos, como o suplente de senador pelo PDT, Christopher Goulart, e os presidentes estaduais do PSB, José Stédile, e do PSDB, Valdir Bonatto.

Segundo Osmar Terra, o ex-governador tem postura ética, séria e honesta. Qualidades que, conforme o ministro, sãofundamentais para que ele assuma a liderança desse processo. "Ele pode ser a cara nova que precisamos, a grande novidade”, defendeu.

Quem também defendeu a ideia foi o ex-líder de governo de Sartori na Assembleia, deputado estadual Gabriel Souza. Por meio da Fundação Ulysses Guimarães, ele lidera um movimento de renovação nacional e avaliou o nome de Sartori como alternativa para transformar esse movimento em realidade. "Temos que dialogar com outros estados e permitir essa travessia e um projeto político centrista. Precisamos construir o centro político para devolver ao país a serenidade, a paz e a moderação nas relações sociais", afirmou Souza.

Já o ex-senador Pedro Simon destacou a importância da reflexão e união dentro do partido. Ele lembrou a história e ressaltou a participação da sigla na redemocratização do país. “O MDB precisa fazer uma análise profunda do que é, do que foi e do quer ser. Na luta democrática, nas eleições municipais, na convenção, precisamos fazer política e dizer que temos um caminho digno e respeitável e com condições de fazer esse debate a nível nacional”, afirmou.

Moreira segue no comando

A convenção serviu para eleger a nova Executiva estadual. O deputado federal Alceu Moreira da Silva foi reconduzido ao cargo de presidente, para a segunda gestão consecutiva. Ele ressaltou a necessidade de autocrítica e a construção de consenso para o desenvolvimento do País. “Temos compromisso e responsabilidade com essa travessia. É nossa responsabilidade reconstruir o partido como instrumento de solução de vida coletiva para as pessoas", discursou. Moreira ficará no cargo até 2021.

Dos 405 votantes, 382 foram favoráveis, oito em branco, três anularam e 12 manifestaram contrariedade à chapa única. O diretório é formado por 71 integrantes titulares e 23 suplentes. No final do evento, o secretário-geral, Gabriel Souza, leu o documento Mudar e Avançar, que servirá de instrumento para debate interno. O manifesto reconhece as conquistas do partido, aponta os erros ao longo de sua história e sugere mudanças no comando nacional, que terá convenção em setembro.





Publicidade