Política

MONUMENTO A OGUM: Umbandistas reforçam apoio a projeto

Bueno participou de evento na Praça Lauro de Oxum
23 de abril de 2019 às 12:24
Foto: Foto: Di Vianna Fotógrafo, Divulgação

Esta terça-feira é o dia dedicado a São Jorge da Capadócia. Para os umbandistas, o santo católico tem o nome do orixá Ogum. Divindade afro que tem um monumento erguido em Caxias do Sul, na Praça Lauro de Oxum. O local serviu de palco, no sábado (20) à noite, de um evento religioso em homenagem ao orixá. O vereador Rafael Bueno/PDT participou do ritual promovido pela Associação Umbanda de Caxias. O ato religioso foi dirigido pelo presidente da entidade, Saul de Medeiros.

O motivo principal da presença de Bueno é que ele tem defendido os direitos dos adeptos da Umbanda, em Caxias. Depois de encampar a luta dos umbandistas contra o fechamento do Santuário Ecológico Reino dos Orixás, no Bairro Cruzeiro, no ano passado, o pedetista protocolou, na Câmara de Vereadores, um projeto de lei que pretende tornar o Monumento a Ogum em Patrimônio Cultural de Natureza Material de Caxias do Sul.

DECISÃO DO COMPACH

Segundo Rafael Bueno, a matéria foi protocolada porque o prefeito Daniel Guerra indeferiu a decisão tomada pelo Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural (Compahc), em dezembro de 2018, quando os integrantes aprovaram o tombamento do monumento. "Mesmo com o desrespeito desse prefeito aos praticantes da umbanda, que sempre respeitaram as outras religiões e convivem em harmonia, vamos levar esse projeto adiante e contamos com o apoio de todos os vereadores nessa causa justa”, salienta Bueno.

Saul de Medeiros solicitou o engajamento de todos os líderes religiosos para que se unam e apoiem o projeto proposto pelo pedetista. Caxias tem mais de 350 casas ligadas à religião afro. "Infelizmente, a negação da nossa religião está sendo reproduzida pelo atual gestor, que tenta nos desconsiderar. Mas existe uma nova realidade e percepção entre os caxienses, que ficou evidente na homenagem feita no sábado de noite. Estamos de pé e resistentes a atitudes arbitrárias que tentam nos desconstruir. Não conseguirão", assegurou.