Economia

FINANÇAS: Endividamento das famílias tem recuo

13 de maio de 2019 às 12:42

O endividamento das famílias gaúchas apresentou leve queda em abril na comparação com o mês imediatamente anterior. Além disso, o mês indicou índice menor, de 64,7%, em comparação com o mesmo período em 2018, que foi de 65,7%. As informações são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, divulgada pela Fecomércio-RS, nesta quinta-feira (9). O tempo de comprometimento com as dívidas na média de 12 meses também recuou, chegando em 5,3 meses. A retração é considerável quando comparada com abril de 2018, época em que o indicador era de 7,7 meses. O principal meio de endividamento é o cartão de crédito, com 76,2%, seguido por carnês, 28; crédito pessoal, 15,6%; e financiamento de automóveis, 14,1%. Embora o cenário aponte para um endividamento controlado, o presidente da entidade, Luiz Carlos Bohn, ressalta que a atenção sempre precisa estar voltada para os indicadores de inadimplência. Ainda de acordo com a pesquisa, o índice de famílias com contas em atraso foi de 17,7%, mantendo-se abaixo do índice do mesmo mês no ano passado, que era de 40,7%. "Apesar do mercado de trabalho fraco, o número de famílias inadimplentes é menor do que no mesmo período de 2018. Isso, certamente, decorre de um comportamento diferenciado do consumidor", destaca. Porém, o indicador apresentou a segunda elevação na margem. Para Bohn, o dado pode ser reflexo das despesas extras do início do ano, em função de impostos, taxas, reajustes de tarifas e despesas educacionais. O índice de famílias sem perspectiva de pagamento das dívidas em atraso nos próximos 30 dias é outro que caiu consideravelmente na comparação interanual, passando de 10,9%, em abril de 2018, para 6,7% neste ano. Na média de 12 meses também foi observada redução para 5,7%.