Política

APARTE

Aguardado pelos jornalistas para a tradicional entrevista coletiva pós-reunião-almoço, nesta segunda (11), o prefeito Daniel Guerra preferiu não falar com a imprensa. Abordado
12 de março de 2019

Aguardado pelos jornalistas para a tradicional entrevista coletiva pós-reunião-almoço, nesta segunda (11), o prefeito Daniel Guerra preferiu não falar com a imprensa. Abordado na descida do palco, disse que preferia falar na entrevista coletiva organizada pelo Executivo, nesta quinta-feira (14), às 9h, no gabinete dele, no Centro Administrativo. Provocado sobre quebrar a tradição da coletiva de todos os palestrantes da reunião-almoço da CIC, esquivou-se afirmando que, na quinta, terá mais tempo para atender a imprensa.

FELIZ DA VIDA ...

... deve estar o vereador Rafael Bueno/PDT. Isso porque o prefeito Daniel Guerra anunciou, na CIC, que este ano, vai abrir a UBS Cristo Redentor. O posto de saúde foi construído durante a gestão do ex-prefeito Alceu Barbosa Velho/PDT. Entretanto, há dois anos, o parlamentar luta para que a UBS seja aberta. Não raro o discurso contra Guerra, no Legislativo, que Bueno deixe de citar o que ele chama de descaso do atual governo com aquela comunidade e arredores. Guerra também anunciou para este ano, a abertura das UBSs Reolon e São Vicente e Cristo Redentor. Além disso, a construção de unidades em Ana Rech, Caminho do Meio e Vila Romana.

DIFÍCIL DE COMPARAR

Na avaliação do presidente da CIC, Ivanir Gasparin, o prefeito Daniel Guerra anunciou investimentos ínfimos, tendo em vista o valor da arrecadação do Município. Ele também acredita que os dados precisam ser comparados com gestões anteriores para, realmente, se afirmar que o atual governo investe mais que os antecessores. “Investimentos de R$ 250 milhões me parecem pouco em relação a um orçamento de quase R$ 2 bilhões”, comparou.

FISCALIZAÇÃO

Entre os empresários que questionaram o prefeito Daniel Guerra, a presidente do Sindicato do Comércio Varejista, Idalice Manchini, comentou o dado apresentado por ele de a fiscalização da Prefeitura ter apreendido 18 mil itens no comércio ambulante, no ano passado. Ela solicitou ações mais efetivas do governo municipal contra o comércio ilegal. Daniel Guerra respondeu que, se tiver que optar entre atuar de maneira mais firme na segurança das escolas ou contra os ambulantes, não teria dúvida qual escolheria. Atuaria nas escolas. Falando desta forma parece que as escolas estão bem guarnecidas. Na última semana, uma estudante da Escola Municipal Catulo da Paixão Cearense sofreu assédio sexual dentro do prédio, mas a Guarda Municipal não estava lá para fazer a segurança.

MOURÃO PELA SEGUNDA VEZ

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão/PRTB, representou o presidente Jair Bolsonaro/PSL, na abertura oficial da 20ª Expodireto Cotrijal, na manhã desta segunda-feira (11), em Não-Me-Toque. É a segunda vez que ele inaugura evento no estado – o primeiro foi a Festa da Uva, em Caxias do Sul. Na comitiva federal também veio a ministra da Agricultura, Tereza Cristina. O governador Eduardo Leite/PDB também participou da solenidade de abertura no Parque da Expodireto. O vice-presidente confirmou o intuito de unir forças de todas as esferas e instâncias para desenvolver o Estado e o Brasil, principalmente em torno do agronegócio. “Nosso governo tem o compromisso com as senhoras e os senhores responsáveis por parte significativa do PIB do país e, particularmente, 40% do nosso Estado”, destacou.

GT MAGNABOSCO

O resultado da reunião realizada na sexta-feira (8), pela Comissão de Constituição, Justiça e Legislação da Câmara de Vereadores, decidiu pela formação de um grupo de trabalho (GT). A proposta foi do vereador Felipe Gremelmaier/MDB e do ex-prefeito Alceu Barbosa Velho/PDT. Eles pretendem mobilizar a bancada gaúcha no Congresso Nacional, tendo em vista o julgamento previsto para o dia 27 de março da ação rescisória da ação movida pela família Magnabosco contra o Município, no Superior Tribunal de Justiça. Conforme alertou o presidente da comissão, vereador Adiló Didomenico/PTB, se a ação for julgada procedente, os cofres públicos municipais terão de arcar com R$ 620 milhões de indenização pelas terras do Bairro Primeiro de Maio.