Cidades

10º Polentaço tem recorde de público

Programação desenvolvida em Monte Belo do Sul atraiu 7 mil visitantes
21 de maio de 2019 às 12:42
Foto: Marlove Perin, Divulgação

Com o maior público de sua história, o 10º Polentaço foi responsável por praticamente triplicar a população de pouco mais de 2,6 mil habitantes de Monte Belo do Sul. Os dois dias de programação (as atividades ocorreram no sábado, 18, e domingo, 19) atraíram cerca de 7 mil visitantes à cidade. “Foi uma luz divina. Celebramos não só um patrimônio gastronômico da Serra gaúcha, mas também a consagração de uma festa com a cara autêntica e singular do interior da Serra gaúcha”, destaca o idealizador da atração, Alvaro Manzoni.

A proposta turística e cultural que o município busca com eventos como o Polentaço vem sendo priorizada como forma de fomentar o desenvolvimento de Monte Belo do Sul. “Essa edição superou todas as expectativas”, resumiu o prefeito Adenir José Dallé.

Mais de 1.600 kg de polenta foram distribuídos ao público – totalizando mais de quatro mil porções acompanhadas por molho. Quem acompanhou os tombos das polentas gigantes saboreou o prato tradicionalmente cozido em grandes proporções pelos imigrantes italianos desde a época da colonização.

Uma das mais inusitadas e criativas atrações do Polentaço é a exposição de esculturas feitas de polenta. Em 2019, a mostra aumentou o número de obras inscritas: foram 30 peças. As três melhores foram premiadas – além da categoria destaque, para aquelas feitas exclusivamente por polenta.

A “Cagliera D’Oro”, em alusão ao ouro de primeiro colocado, ficou com a comunidade Nossa Senhora de Caravaggio. A escultura teve como tema ‘La Casa dela Nonna’ e retratou um antigo casarão. Na segunda posição, ostentando a “Cagliera D’Argento”, figurou a obra da Comunidade de São Paulo, na Linha Fernandes Lima – com o tema ‘Nona Maria, a Parteira’. A “Cagliera di Bronzo” foi outorgada para a Comunidade São Pedro, que representou o Deus grego do Vinho, Dionísio, em homenagem ao Dia do Vinho Brasileiro. Já a “Cagliera Nera”, ou destaque, foi para o grupo Folclórico Vicentino, com uma obra autêntica retratando os chapéus alpinos utilizados pelos integrantes do coral, a ‘Taliani Vicentini in Brasile’.